fbpx
Revista Attalea Agronegócios
Image default
Bovinos de Leite

De olho em novas tecnologias, pecuaristas brasileiros visitam fazendas da Califórnia

Foram visitadas sete fazendas dos Estados Unidos, além de laticínio, fábrica de rações e maior exposição de gado leiteiro do mundo

Produtores de leite das principais bacias leiteiras do Brasil tiveram a oportunidade de conhecer o sistema de produção e as tecnologias utilizadas em fazendas dos Estados Unidos, país que tem a maior produtividade por animal do mundo, atingindo 9.900kg de leite por vaca/ano segundo dados do Anuário do Leite 2018 da EMBRAPA. Esse índice está acima de outros grandes produtores, como o Canadá (9.300 kg/ano) e a Holanda (8.900 kg/ano), e também do Brasil, cuja produtividade está em torno de 1.600kg/ano.

Os 10 produtores brasileiros, acompanhados da equipe técnica da Semex – considerada a maior central de inseminação artificial do mundo – passaram por dois estados norte-americanos entre os dias 5 e 9 de outubro. A primeira parada foi na tradicional exposição World Dairy Expo, em Madison, no estado de Wisconsin, que recebeu mais de 70.000 pessoas de 100 países. Durante dois dias, eles puderam acompanhar o julgamento da raça Holandesa e conhecer as novidades do setor lácteo mundial. Segundo o gerente do programa Semex Progressive Flávio Junqueira, esta é a maior exposição de gado leiteiro do mundo e mais uma vez a Semex foi o grande destaque, com filhas dos touros da central conquistando diversas categorias, incluindo um dos prêmios mais cobiçado, o de Campeã Vaca Adulta e Grande Campeã da World Dairy Expo 2018.

Campeã Vaca Adulta e Grande Campeã – Filha de Lauthority 2

De Madison, os brasileiros seguiram para a Califórnia e por lá visitaram sete grandes fazendas produtoras de leite, como a Moonshine Dairy, cuja média diária de produção é de 46 litros de leite por vaca, a Diamond J Dairy Farm, focada na criação da raça Jersey, e a Coelho Dairy Farm, que foca seu trabalho em touros de elevada produção de leite, mérito líquido e sistema mamário e conta com 2.000 vacas na ordenha. Outra propriedade que chamou a atenção dos brasileiros foi a De Jager Dairy, que utiliza somente sêmen de touros Semex e tem  6.400 vacas em ordenha. Há cinco anos a propriedade monitora, em tempo real, a saúde e a reprodução de todo o rebanho por meio do programa Semex Ai24.

Sistema de ordenha da Fazenda Coelho Dairy Farm, que foca seu trabalho em touros de elevada produção de leite e conta com 2.000 vacas na ordenha.

“Pudemos observar a filosofia de trabalho dos produtores americanos, que utilizam muita tecnologia para obter o máximo de eficiência reprodutiva e elevar a produtividade. Há também uma grande preocupação com custos de produção. Na parte genética, os produtores norte-americanos utilizam vários programas da Semex, como o Optimate (acasalamento), Herdview (resumo genérico do rebanho), e o Elevate (programa genômico) e o Immunity (saúde animal), para selecionar os touros de alta eficiência. As características que os produtores mais focam para o melhoramento genético são sólidos, produção de leite e fertilidade das filhas”, diz Hilton Ribeiro, Distrital da Semex na Região ABCW do Paraná. Outras fazendas visitadas foram Rock Shar Dairy Farm, Red Rock Dairy Farm e Diepersloot Ranch Dairy Farm.

Além das sete fazendas visitadas, os brasileiros conheceram na Califórnia a fábrica de rações Associated Feed & Supply Co, que atua há mais de 40 anos no mercado americano e conta com 250 lojas espalhadas por todo o país, uma estrutura totalmente automatizada, com poucos funcionários e um negócio totalmente diferenciado, que inclui instalação dedicada para a alimentação livre de antibióticos. Outro local visitado foi o Laticínio Hilmar Cheese Company, responsável pela produção de 20% de todo o queijo chedder dos EUA. O laticínio recebe cinco milhões de litros de leite por dia.

Este foi o 10° ano da realização do tour técnico do Grupo Progressive pela Semex. Para Flávio Junqueira, a iniciativa vem contribuindo ao longo desses anos para colocar os produtores brasileiros em contato com as mais modernas tecnologias de produção.

“A visita foi muito produtiva, possibilitando a todos os participantes conhecer um sistema de produção altamente eficiente. A Califórnia é uma região extremamente competitiva na pecuária leiteira, com fazendas bem manejadas e com produções bastante significativas. Elas têm entre 3 e 11 mil vacas em ordenha e conseguem médias diárias de 38 a 46 kg/leite”, acrescenta. Hilton Ribeiro ainda destaca que o produtor brasileiro poderá aplicar em seus rebanhos as tecnologias vistas nos Estados Unidos. “Além disso, os mesmos materiais genéticos utilizados nas fazendas da Califórnia estão à disposição dos brasileiros, o que ajudará a melhorar a rentabilidade do negócio”, garante.

 

FONTE: Grupo Publique

Related posts

Allflex avança no mercado brasileiro e traz nova plataforma de monitoramento

Revista Attalea Agronegócios

Colchão faz vacas produzirem 10 litros a mais de leite por dia no Paraná

Revista Attalea Agronegócios

Fazenda Cachoeirinha, de Cachoeira da Prata (MG), aumentou em 44% a produtividade por ha/ano

Revista Attalea Agronegócios

Deixe um comentário