Image default
ARTIGOSCafé

[Davi Moscardini] – Considerações sobre o fósforo na implantação do cafezal

Davi Moscardini

Eng. Agrônomo, Mestrando em Fitotecnia pela ESALQ/USP.  E-mail: moscardini@usp.br

Com o retorno das chuvas nas principais regiões cafeeiras do Brasil os produtores já se preparam para o plantio de 2018 e surgem dúvidas sobre como será realizada a adubação fosfatada de plantio para fornecimento deste nutriente de fundamental importância para estabelecimento das culturas agrícolas.

Na planta, o fósforo é componente essencial da ATP, do DNA, RNA e dos fosfolipídios, portanto influencia no armazenamento energético, na herança genética, na síntese de proteínas e na formação de membranas celulares. O fósforo é também muito exigido nos tecidos meristemáticos como ápice de raízes. Por estes motivos, a adubação fosfatada de implantação deve ser feita de forma adequada para evitar deficiência durante o desenvolvimento do cafeeiro.

O fornecimento do fósforo é particularmente complicado em ambiente tropical, por conta da predominância de solos altamente intemperizados, que são caracterizados no Brasil principalmente pelos Latossolos. Na classificação americana o Latossolo é chamado de Oxisol, ou seja, solo com alto teor de óxidos de alumínio e de ferro, este último responsável pela coloração avermelhada característica de alguns solos desta ordem. A elevada concentração de óxidos confere alta capacidade de fixação de ânions (como o H2PO4), além da presença de alumínio, ferro e manganês que precipitam o fósforo tornando-o indisponível às plantas. Estes fatos explicam porque a eficiência da adubação fosfatada é tão baixa nos solos brasileiros, fazendo com que em algumas situações seja necessário aplicar até cinco vezes mais fósforo do que o exigido pelas plantas.

No plantio da lavoura de café o objetivo da adubação fosfatada no sulco é promover o enraizamento inicial para que a muda seja capaz de acessar a água e os nutrientes necessários para o bom funcionamento do metabolismo de carbono, que é o grande responsável pelo incremento de biomassa em qualquer planta. A única oportunidade do fornecimento de fósforo em profundidade, próximo às raízes, está na implantação, pois após a formação da lavoura o mesmo só poderá ser fornecido em cobertura e sabe-se que sua mobilidade no perfil é praticamente inexistente devido a sua forte interação com a fração coloidal dos solos tropicais.

Dentre as fontes de fósforo utilizadas no sulco de plantio destacam-se os fosfatos totalmente acidulados (superfosfato simples, superfosfato triplo, fosfato monoamônico) e os termofosfatos magnesianos.

Superfosfato Simples

É o principal adubo fosfatado utilizado no Brasil, é originado do ataque do concentrado apatítico com ácido sulfúrico. Possui 18% de P2O5 total, sendo mais de 90% solúvel em citrato neutro de amônio e água (CNA + H2O). Tem como principal vantagem o fornecimento também de cálcio (20%) e enxofre (12%), pois 50% do superfosfato simples é composto de gesso, que atua como condicionador de solo auxiliando no aprofundamento radicular. Existe também a possibilidade de adquirir superfosfato simples formulado com micronutrientes.

Superfosfato Triplo

É obtido do ataque do concentrado apatítico com ácido fosfórico. Apresenta alta concentração de fósforo (45% P2O5) de elevada solubilidade em água, é também fonte de cálcio (13%). Tem como vantagem a maior concentração de fósforo que otimiza o rendimento operacional e diminui o custo de transporte. Porém, por ser um adubo concentrado perde-se os benefícios do gesso encontrado no superfosfato simples.

Fosfato monoamônico (MAP)

É obtido da combinação da amônia com ácido fosfórico. Possui 50 a 52 % de P2O5 de alta solubilidade em água e 10 a 12% de nitrogênio. Tem como vantagem o menor custo e o maior rendimento operacional por ter elevado teor de fósforo. A única desvantagem do MAP é que, no caso da necessidade de altas doses de fósforo na implantação, pode ocorrer fornecimento de nitrogênio em demasia, prejudicando o bom desenvolvimento das mudas.

Termofosfato Magnesiano

O termofosfato magnesiano é obtido pela rota térmica, com a fusão do concentrado apatítico com silicato de magnésio. Possui 18% de P2O5 total e 16% solúvel em ácido cítrico 2%, além de 20% de cálcio, 9% de magnésio e 25% de SiO2. Algumas formulações são enriquecidas com fritas para o fornecimento de micronutrientes. É um fertilizante fosfatado de liberação gradual e apresenta a maior eficiência agronômica dentre os citados neste artigo.

Apresenta-se como uma das melhores fontes de fósforo disponíveis no mercado para a implantação da lavoura de café por quatro motivos:

  • Reação alcalina: O termofosfato magnesiano possui índice de basicidade 50 (100 kg de termofosfato magnesiano equivalem à alcalinidade gerada por 50 kg de calcário com PRNT igual a 100%). Isso significa, por exemplo, que a aplicação de 200 g/m no sulco tem o mesmo efeito alcalinizante que a aplicação de 100 g/m de calcário. O aumento do pH diminui a disponibilidade dos metais que precipitam o fósforo e diminui também a adsorção causada pela presença de cargas positivas nos óxidos.
  • Solubilidade gradual: Por ser um fosfato menos solúvel que os fertilizantes totalmente acidulados, o termofosfato magnesiano apresenta maior efeito residual e é menos suscetível a fixação, fato que contribui para a sua maior eficiência agronômica.
  • Efeito do magnésio como carreador de fósforo: O magnésio aumenta a absorção de fósforo pela planta. Acredita-se que a interação entre estes dois nutrientes estão relacionadas com reações de transferência de energia nas células.
  • Fornecimento de silício: O silício tem preferência em relação ao fósforo na série liotrópica de ânions. Isso significa que o silício preenche os sítios de adsorção que seriam ocupados pelo fósforo, aumentando a sua disponibilidade para as plantas. Além disso, o silício é um elemento benéfico, reduz estresses abióticos e ataque de pragas e doenças em determinadas culturas.
GRÁFICO: Resumo aproximado da eficiência agronômica de fontes de fósforo para cultura anuais (GOEDERT, 1986).

Recomendação

As recomendações de adubação fosfatada de plantio da 5ª aproximação de MG e do Boletim 100 recomendam doses de 15 a 80 g de P2O5 por metro de sulco, sendo estas doses variáveis em função do teor de argila e do teor de fósforo no solo.

O cafeeiro apresentou maior produtividade na média de dois anos quando foi implantado associando-se superfosfato simples a termofosfato magnesiano na proporção de metade a até 75% da dose recomendada com termofosfato magnesiano e o restante com superfosfato simples (SANTINATO, 1998). O superfosfato simples fornece grande quantidade de fósforo solúvel em água, porém mais suscetível à fixação. Já o termofosfato magnesiano fornece fósforo de solubilidade gradual e micronutrientes, apresentando os benefícios citados anteriormente. Portanto a associação destas fontes fornece fósforo prontamente disponível e de liberação gradual, isso promove disponibilidade pontual e residual, o que é muito desejável na implantação de uma cultura perene.

Conclusão

A associação de uma fonte de fósforo totalmente acidulada ao termofosfato magnesiano é uma estratégia interessante para o fornecimento do fósforo na implantação do cafezal. Como os cafezais estão sendo cada vez mais implantados em solos de baixa fertilidade é necessário que sejam escolhidas fontes que forneçam também os micronutrientes e os macronutrientes secundários, como Ca, Mg e S.

Cabe ao produtor com o auxílio de um técnico escolher a fonte adequada de fósforo e que apresente relação custo benefício favorável. A adequada implantação do cafeeiro esta diretamente ligada ao fornecimento de fósforo e se feita de forma adequada, é o pontapé inicial para o estabelecimento de lavouras de alta produtividade.

Referências Bibliográficas

GOEDERT, W. J. et al. Eficiência agronômica de fertilizantes fosfatados não tradicionais. Planaltina, EMBRAPA-CPAC 1986, Documentos, 24. Disponível em:https://www.embrapa.br/busca-de-publicacoes/-/publicacao/547644/eficiencia-agronomica-de-fertilizantes-fosfatados-nao-tradicionais.

SANTINATO, R. et al. Modo de fosfatagem no sulco de plantio com a associação do super fosfato simples e o yoorim master em solo de cerrado. Carmo do Paranaíba, 1998. Disponível em:< http://www.santinatocafes.com/bs.content//Artigos/ARTIGOS/24CONGRESSO/39/MODO_DE_FOSFATAGEM_NO_SULCO_DE_PLANTIO_COM_A_ASSOCIACAO_DO_SUPER_FOSFATO_SIMPLES_E_O_YORIM_MASTER_EM_SOLO_DE_CERRADO.pdf>.

Related posts

Dia Internacional do Café é comemorado pela Minasul com lançamento de selo

Mario

[Davi Moscardini] – Remineralizadores de solo: Pós de rocha são realmente eficientes para o fornecimento de nutrientes às plantas?

Mario

[ATLANTICA COFFEE] – Relatório Semanal 16 Fev 2024

carlos

Deixe um Comentário

Este site utiliza cookies para melhorar sua experiência. Presumiremos que você concorda com isso, mas você pode cancelar se desejar. Aceitar Leia Mais