Outros Grãos

Cultivares de arroz da Embrapa para o Maranhão são apresentadas a produtores

Cerca de 80 produtores de arroz do Maranhão tiveram acesso a informações técnico-científicas sobre as principais cultivares de arroz recomendadas para o estado em dia de campo realizado no último dia 8 de abril, na Fazenda Sapucaia em São Mateus. Os pesquisadores Paulo Hideo Rangel, da Embrapa Arroz e Feijão, e Guilherme Abreu, da Embrapa Cocais, detalharam as características agronômicas das cultivares de arroz.

Segundo Carlos Santiago, coordenador do evento, a genética Embrapa causou uma revolução na cadeia produtiva do arroz no Maranhão. A título de exemplificação, no ano de 2015, a área de arroz irrigado e sequeiro favorecido utilizava apenas algo em torno de 25 % de cultivares com genética Embrapa. Hoje, na safra 2021/2022, são 80% da área ocupada com cultivares da Embrapa.

“Esse é um salto significativo em produtividade e qualidade de grãos. Temos produtores colhendo uma média de 7.500 kg por hectare em grandes áreas de cultivares, como BRS PAMPEIRA E BRS A704, sendo que todas essas cultivares têm um potencial muito superior a ser explorado. Avançamos muito, mas ainda temos um longo caminho pela frente até estabelecer uma média superior a oito toneladas por hectare na região de São Mateus. O evento foi um grande sucesso e é dessa forma que levamos aos produtores o que existe de melhor em genética para a região tropical do Brasil”

Saiba mais sobre as cultivares apresentadas por ordem de lançamento:

BRS Catiana: é uma cultivar de arroz irrigado de ampla adaptação e alta produtividade; excelência em qualidade de grãos e senescência tardia (stay green), o que reduz o risco de acamamento. Possui ainda resistência moderada às principais doenças encontradas nas lavouras de arroz irrigado. É recomendada para o Maranhão e, nesse estado, já apresentou produtividade de 12.760 kg ha-1, com ciclo médio de 120 dias.

Arroz BRS Catiana

BRS Pampeira: A cultivar apresenta ciclo médio (118 dias no Maranhão), com qualidade de grãos e elevado potencial produtivo. Não apresenta problema de acamamento e possui moderada resistência a enfermidades da cultura. A BRS Pampeira originou-se de cruzamento simples, envolvendo a variedade IR 22 (genitor feminino), introduzida do Instituto Internacional de Pesquisa em Arroz (IRRI), e a linhagem CNA 8502, que visava reunir maior resistência à brusone, rusticidade, qualidade de grãos e potencial produtivo, alcançando patamares de.15.360 kg ha-1 no Maranhão.

Arroz BRS Pampeira

BRS A704: cultivar de arroz irrigado de ciclo médio, com rusticidade e ampla adaptabilidade às regiões tropical e subtropical. Possui elevado potencial produtivo, tolerância ao acamamento, presença de stay green e base genética ampla para resistência à brusone, principal doença da cultura. No Maranhão apresentou potencial produtividade de 13.260 kg ha-1 e ciclo médio de 120 dias.

BRS A502: As principais características são a elevada resistência ao acamamento, ciclo médio, alto potencial produtivo e grãos de excelente qualidade industrial e culinária. É uma cultivar para o sistema de terras altas (sequeiro) que pode ser utilizada em diversas condições de cultivo, incluindo a rotação e a sucessão de culturas em áreas sob agricultura intensiva (terras velhas) nas principais regiões produtoras do Brasil. No Maranhão, essa cultivar apresentou potencial produtivo de 7.000 kg ha-1 e ciclo médio de 100 dias.

BRS A705: Essa cultivar tem elevada produtividade (potencial produtivo de 12.000 kg ha-1 no Maranhão), resistência às principais doenças da cultura, ciclo precoce (105 dias no Maranhão, o que proporciona economia de água de irrigação), estatura baixa e boa resistência ao acamamento, mesmo em condições elevadas de adubação. Além disso, a nova cultivar apresenta ótima qualidade de grãos do tipo longo-fino, padrão de preferência nacional.

BRS A706: lançada este ano, a CL A cultivar BRS A706 CL foi desenvolvida pelo método de retrocruzamentos com uso da BRS Catiana como parental recorrente, e da PUITÁ INTA-CL, como parental doador do gene de resistência a herbicidas do grupo químico das imidazolinonas (IMI) do Sistema de Produção Clearfield®️ (BASF).

O objetivo foi desenvolver uma nova cultivar derivada de BRS Catiana, agregando a resistência a herbicidas IMI às ótimas características agronômicas dessa cultivar: elevado potencial produtivo, tolerância ao acamamento, presença de stay green e boa resistência às principais doenças da cultura. Apresenta um potencial produtivo de 11883 Kg ha-1 e ciclo médio de 110 dias no Maranhão.

O evento também discutiu a produção de sementes e cultivares disponíveis para comercialização e o panorama do arroz no Maranhão e no Brasil com a participação de representantes da Brazeiro Sementes, Sementes Cerattiii e Camil Alimentos.

FONTE = Flávia Bessa – Embrapa Cocais
cocais.imprensa@embrapa.br

Related posts

Estudo indica cultivares de arroz vermelho e preto com maior atividade antioxidante

Mario

Embrapa Cocais e Sagrima realizam dia de campo virtual sobre manejo da cultura do arroz

Mario

Expodireto 2019: Trigo exclusivo para pastejo é novidade na Biotrigo Genética

Mario

Deixe um Comentário

Este site utiliza cookies para melhorar sua experiência. Presumiremos que você concorda com isso, mas você pode cancelar se desejar. Aceitar Leia Mais