Aves e SuínosNOTÍCIAS

Consumo de carne suína bate recorde no Brasil e anima indústrias para o os próximos meses

Brasileiro consumiu 16 quilos de carne suína em 2021 (ABPA); Alegra registrou aumento de 20% de faturamento no mesmo ano.

O consumo de carne suína no primeiro semestre de 2022 bateu um recorde histórico no Brasil. Segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), a população do país consumiu, em média, 18 quilos (kg) da proteína animal entre janeiro e junho deste ano. A título de comparação, o registro foi de 16,9 kg para igual período em 2021.

Essa alta no consumo tem ocorrido de forma gradual nos últimos anos – de 14 kg por habitante em 2010 para 16 kg em 2021, segundo a Associação Brasileira de Proteína Animal (ABPA) – e sido importante para as indústrias do setor. A Alegra, indústria de derivados de carne suína integrante da Unium, que atua na região dos Campos Gerais, no Paraná, tem acompanhado o movimento e em 2021 registrou o faturamento de R$ 1 bilhão, 20% a mais que ano anterior, com 97 mil toneladas de carne suína processada.

“Existe um aumento no consumo [de carne suína] muito por conta da situação econômica do país. Hoje, a carne suína tem a melhor relação custo-benefício, comparando com aves e bovinos. A introdução da proteína suína nos lares brasileiros está na casa dos 90% e há bastante espaço para crescer”, analisa Luiz Otavio Morelli, gerente comercial da Alegra.

O consumo mais elevado desse tipo de proteína pode ser notado no aumento no número de abate de suínos no Brasil. O IBGE apontou que desde 1997 o Brasil não registrava 14 milhões de cabeças abatidas num único trimestre, como foi contabilizado nos meses de abril, maio e junho de 2022. O número é 7,2% superior ao mesmo período de 2021.

A alta nos abates também tem crescido de forma gradual desde o início da última década. A ABPA aponta que em 2010 foram abatidas 3,237 milhões de toneladas de suínos no país, número que saltou para 4,701 milhões de toneladas em 2021.

“Nos últimos anos, a indústria vem mudando sua relação com o mercado interno. O suíno deixou de ser apenas matéria-prima ou pauta de exportação e começou a agregar valor e buscar atender às necessidades do mercado. Temos, atualmente, um produto mais adequado àquilo que o consumidor espera”, completa Morelli.

Expectativas do setor para fechar 2022 são positivas

Historicamente, os últimos meses do ano são positivos para o mercado da carne suína no Brasil, impulsionados pelas festas de fim de ano. Em 2022, contudo, esses eventos vão ganhar a companhia de outra data que deve movimentar ainda mais o setor: a Copa do Mundo do Catar, realizada pela primeira vez entre novembro e dezembro, um pouco antes do início do verão no hemisfério sul.

56% dos entrevistados para estudo conduzido pela consultoria Meta afirmaram que devem realizar ou participar de churrascos durante os jogos, fator que tem tudo para impactar o mercado de proteína animal no Brasil no período.

“Nesse cenário, a carne suína figura como uma opção competitiva e saborosa para as reuniões familiares e com amigos, com opções como linguiça, costelinha, pernil e picanha, entre outros itens que são alternativas excelentes para o consumidor”, finaliza Morelli.

Related posts

Escherichia coli: controle da bactéria promove o bem-estar na avicultura

Mario

Gira, AgTech do Santander, inicia abertura de rede de lojas

Mario

Agrishow Experience acontece entre os dias 14 e 18 de setembro

Mario

Deixe um Comentário

Este site utiliza cookies para melhorar sua experiência. Presumiremos que você concorda com isso, mas você pode cancelar se desejar. Aceitar Leia Mais