Cafés Especiais

Concursos regionais e municipais valorizam cafés do Sul de Minas

A Unidade Regional da Emater-MG de Guaxupé participou da realização de 12 concursos municipais de café e dois regionais no segundo semestre de 2023

Nesta quinta-feira (dia 16/11) acontece na Casa da Cultura, em São Sebastião do Paraíso (MG), no Sudoeste de Minas, mais uma edição “Paraíso dos Cafés Finos”. O concurso é o último de uma série de concursos regionais e municipais de qualidade dos cafés, que vem movimentando o Sul do Estado, no segundo semestre deste ano, e que buscam valorizar a cafeicultura local, agregando mais valor aos cafés da região.

O gerente da Unidade Regional da Emater-MG (Uregi) de Guaxupé, Marcelo Bomfim, conta que na região atendida pela Uregi, desde setembro, já foram realizados 11 concursos municipais de café e dois regionais, que foram da Associação dos Cafeicultores do Sudoeste de Minas, no dia 27 de outubro, em Muzambinho (MG); e o Concurso do Terroir Vulcânico, no dia 4 de novembro, em São Sebastião da Grama (SP). Este último abrange 12 municípios na divisa entre os estados de Minas Gerais e São Paulo e busca valorizar a produção de cafés especiais em solos vulcânicos, reforçando a marca coletiva que vem ganhando notoriedade no cenário de cafés gourmets.

Já os concursos municipais ocorreram em Poços de Caldas (26/09), Monte Sião (18/09), Cabo Verde (07/10), Botelhos (20/10), Andradas (24/10), Campestre (26/10), Monte Belo (22/09), Muzambinho (31/10), Nova Resende (04/11), Ibitiúra de Minas (04/11), Jacutinga (11/11) e agora será realizado em São Sebastião do Paraíso. “No total, foram mais de mil amostras participando dos concursos. Em todos eles houve um aumento de inscritos e a melhora da qualidade dos grãos concorrentes. Os produtores estão bastante interessados em fazer um trabalho de qualidade”, ressalta Marcelo Bomfim.

Concurso de café da Associação dos Cafeicultores do Sudoeste de Minas (Crédito: Emater-MG)

Talento jovem

O cafeicultor Luiz Fernando Vilas Boas, de 25 anos, conquistou o primeiro lugar geral no Concurso Municipal de Andradas, no qual também ganhou o prêmio de melhor café produzido por um jovem. De família de produtores, Luiz Fernando diz que a paixão pela cafeicultura vem desde a infância, com as brincadeiras no cafezal. 

“Acho que participar desses concursos vale a pena, pois é uma forma de ter reconhecimento do esforço de produzir um café de qualidade, além disso o nosso produto fica mais valorizado no mercado”, argumenta o jovem. Atualmente, Luiz Fernando aguarda com ansiedade o término do Concurso de Qualidade dos Cafés de Minas Gerais, do qual é um dos finalistas.

Concurso de Qualidade de Café de Jacutinga (MG) (Créditos: Emater-MG)

Modelos diferentes

O gerente da Emater-MG comenta que cada concurso adota um modelo próprio mais adequado para as características do município promotor do evento. “O concurso se adapta a realidade do município. Em alguns, os jurados são provadores da região. Em outros, as prefeituras fazem parcerias com institutos federais e universidades, mas em todos a Emater-MG tem uma participação direta na realização dos concursos”, explica Marcelo.

O concurso “Paraíso dos Cafés Finos”, por exemplo, está na sua quinta edição e é uma iniciativa da Prefeitura de São Sebastião do Paraíso, por meio da Secretaria Municipal de Desenvolvimento Agropecuário (Sedeagro), em parceria com a Emater-MG e com a Associação Comercial, Industrial, Agropecuária e de Serviços de São Sebastião do Paraíso (Acissp). Puderam se inscrever cafeicultores, cuja propriedade de origem do lote está localizada no município, com amostras de grãos da espécie “Coffea Arabica L.”, colhidos no ano de 2023, tipo 2 para melhor, de acordo com a tabela oficial brasileira de classificação de café. As amostras deverão ser nas peneiras 16 e acima, com vazamento máximo de 5% na peneira 16 e umidade entre 10% e 12%.

Os primeiros 20 colocados receberão o Certificado de Participação no Concurso e autorização de uso do selo “O Paraíso dos Cafés Finos”. O primeiro colocado, além do certificado, receberá o troféu e R$15.000; o segundo lugar levará R$10.000; o terceiro, R$5.000; 4° colocado R$3.000,00; 5° colocado, troféu e R$2.000,00. Além disto, a associação onde está localizada a propriedade do 1° colocado receberá o prêmio de R$5.000,00.

Outro concurso tradicional na região é o Concurso de Qualidade dos Cafés de Poços de Caldas, que este ano chegou a 16ª edição e contou com 116 inscrições e 96 amostras. A melhor nota obtida foi de 87 pontos e o lote vencedor foi vendido no leilão a R$4.200,00 a saca de 60 kg. Além dos cafés serem comercializados, os agricultores participantes receberam prêmios, sendo o primeiro colocado contemplado com uma derriçadeira de café.

Este ano, a novidade foi a realização conjunta do 1º Concurso Gastronômico de Cafés de Poços de Caldas. Com 28 participantes, a premiação teve três categorias (bebida, doce e salgado) e um dos quesitos para se inscrever foi ser produtor de café. Os três primeiros colocados de cada categoria foram premiados.

Related posts

Cafés Robustas Amazônicos geram mais de R$ 4 milhões em negócios durante programa Exporta Mais Brasil

carlos

Inscrições abertas para II Concurso de Qualidade de Café em Vitória da Conquista (BA)

Mario

Café Especial: Cup of Excellence tem nota média de 87,6 pontos na pré-seleção

Mario

Deixe um Comentário

Este site utiliza cookies para melhorar sua experiência. Presumiremos que você concorda com isso, mas você pode cancelar se desejar. Aceitar Leia Mais