Image default
ARTIGOS

[Ciro Rosolem] – Esperança, confiança e desenvolvimento

CIRO ROSOLEM
Vice-Presidente de Comunicação Científico Agro Sustentável (CCAS) e Professor Titular da Faculdade de Ciências Agrícolas da Universidade Estadual Paulista “Júlio de Mesquita Filho” (FCA/Unesp Botucatu).

www.agriculturasustentavel.org.br

 

Em seu ótimo livro Sapiens, o historiador Yuval Noah Harari discute porque alguns impérios antigos cresceram e se desenvolveram, e outros ficaram estagnados por séculos. Resumidamente, o progresso começa pela admissão da ignorância. A partir do reconhecimento da ignorância surge o ímpeto de descobrir, de aprender, e de crescer. Mas, o mais interessante, é que o crescimento acontece quando os povos param de olhar e venerar o passado, e passam a ter esperança e confiança no futuro. Havendo vontade de saber e de crescer, havendo esperança e confiança no futuro, as sociedades de desenvolvem, ficam complexas, mais ricas.

Acabamos de passar por uma campanha eleitoral pautada por “fake news”, o nome moderno para mentiras e por promessa vazias; bom, sabemos como foi. Enfim, eleito o novo presidente, há uma sensação de esperança renovada. A maioria da população deu um basta ao velho. Parou de “olhar para trás” e se conformar. Bom, paramos de ignorar os malfeitos, e plantamos a esperança. Mas, isso não é suficiente para o progresso, como nos ensina o historiador.

Em seu primeiro discurso, o presidente eleito deu pistas de que, além da esperança, poderá haver confiança no futuro. De acordo com suas palavras, está disposto a garantir um estado que atrapalhe menos o empreendedor, a dar segurança jurídica a empresas, a livre concorrência, a liberdade, tudo com o estrito cumprimento da Constituição. Não depende somente dele, mas sua disposição é um bom começo.

Teremos um novo Congresso Nacional, com perfil novo, mas ainda desconhecido. Mais esperança. Até que ponto nossos representantes estarão dispostos a moldar um país viável?

Muito bem, estabelecemos pelo menos dois passos importantes para o desenvolvimento de riquezas: olhamos para frente e, novamente, temos esperança. Ainda nos falta estabelecer definitivamente a confiança no futuro. Difícil, frente aos enormes desafios que existem, mas possível.

Possível, desde que o presidente fique firme nas suas convicções declaradas no discurso e, principalmente, que exista uma oposição responsável ao seu governo. Que a oposição não se preocupe somente em destruir o poder constituído, pensando na próxima eleição. O momento é de exercer a maturidade, a discussão séria e responsável, sem projeto de poder. Queremos ser um império estagnado ou desenvolvido?

Assim, com a vontade dos brasileiros, com a esperança plantada, mais a confiança estabelecida, cresceremos, teremos um país mais rico, melhor para todos.

Related posts

[Rodrigo Corrêa da Costa] – Mercado de Café – 30/07 a 03/08/2018

Mario

[João Pedro de Matos e Leonardo Quirino] – FUNRURAL: aspectos importantes para o produtor rural

Mario

[Natália Grigol] – Por que mudar a metodologia de cálculo do preço do leite ao produtor?

Mario

Deixe um Comentário

Este site utiliza cookies para melhorar sua experiência. Presumiremos que você concorda com isso, mas você pode cancelar se desejar. Aceitar Leia Mais