fbpx
Revista Attalea Agronegócios
Image default
Cana de Açúcar NOTÍCIAS

Celulose a partir do melaço da cana de açúcar é aprovada

Nos procedimentos cirúrgicos em que é necessária a extração da unha, é indispensável recobrir o leito ungueal exposto, por ter uma pele muito fina, sensível e vulnerável. No entanto, em muitos casos, os altos custos do material até então indicado para a intervenção torna a opção inviável.

Foi pensando em alternativas de curativo após a avulsão da unha que Marcia Helena de Oliveira pesquisou e apresentou, neste ano, ao Programa de Pós-Graduação em Cirurgia da UFPE, a tese “Curativo de celulose bacteriana aplicado sobre leito ungueal após exérese parcial ou total da lâmina ungueal”.

Na pesquisa, orientada pelo professor José Lamartine de Andrade Aguiar e coorientada pela professora Flávia Cristina Morone Pinto, do Departamento de Cirurgia da Universidade, a autora avaliou o uso da Celulose Bacteriana (CB) como curativo capaz de produzir uma cobertura ao leito parcial ou totalmente exposto. “O biopolímero é uma celulose sintetizada a partir da fermentação bacteriana no melaço de cana de açúcar. Portanto, como curativos biológicos produzidos à base de polímeros, tem a capacidade de envolver naturalmente o tecido lesado, promovendo a cicatrização e o controle de infecção”, afirma a pesquisadora.

Para a pesquisa, 26 pacientes foram atendidos e acompanhados no ambulatório de unha da Clínica Dermatológica do Hospital das Clínicas da UFPE, durante 180 dias.

Os candidatos à avulsão ungueal foram distribuídos aleatoriamente em dois grupos: um grupo controle, com 11 pessoas usando gaze vaselinada; e o segundo foi o grupo experimental, em que foi empregado o curativo de CB em 15 pacientes.

De acordo com a tese, o grupo que usou o curativo da celulose bacteriana foi o que apresentou os melhores resultados, como menor intensidade de dor, resolução temporal mais precoce e a melhor aparência do leito ungueal em reepitelização.

Com base nos resultados apresentados, a pesquisadora concluiu que o curativo de celulose bacteriana é uma alternativa promissora para cicatrização do leito ungueal. “O CB foi utilizado em forma de película multiperfurada, tendo como vantagem a autoadesividade e a possibilidade de várias lavagens diárias sem a necessidade de troca da bandagem”, pontua.

Com o experimento aprovado, o resultado concreto da pesquisa foi o desenvolvimento de uma unha cirúrgica de biopolímero de cana de açúcar, com o propósito de produzir uma cobertura para o leito ungueal exposto após exérese da unha.

A unha cirúrgica de biopolímero foi desenvolvida pela Polisa Biopolímeros para Saúde, startup incubada na UFRPE, e testada no Hospital das Clínicas da UFPE.

Ainda segundo o estudo, além de apresentar baixa toxidade, baixo custo de produção, alto poder de integração com os diferentes tecidos e biocompatibilidade, o curativo de celulose bacteriana por ser produzido a partir de matéria-prima de fonte renovável e biodegradável, produz menor impacto ambiental, sem agredir o meio ambiente, garantindo o desenvolvimento sustentável, possibilitando a manutenção dos recursos naturais e, consequentemente, beneficiando as futuras gerações.

HISTÓRICO

Durante a evolução humana, a unidade ungueal, mais comumente conhecida como a unha, sofreu modificações para se adaptar às condições ambientais, tornando-se fundamental para o desempenho das mãos e dos pés, deixando de ser uma estrutura do tipo garra e adquirindo uma estrutura mais refinada.

Surgiram importantes novas funções como proteção da ponta do dedo contra impactos, auxílio ao segurar pequenos objetos, colaboração com a sensibilidade fina de toque e vibração, tendo atualmente importante papel na saúde e estética das mãos e pés.

FONTE: Celulose On-Line

Related posts

Como saber se um produto de origem animal é seguro?

Revista Attalea Agronegócios

Brasil apresenta o maior potencial para ser líder em serviços ambientais no mundo

Revista Attalea Agronegócios

Iniciativa independente apoiada pela ONU aprova metas de proteção climática da Bayer

Revista Attalea Agronegócios

Deixe um comentário