Powered by Rock Convert
Revista Attalea Agronegócios
Image default
Café NOTÍCIAS

Café paranaense aprovado pela Mitsubishi, no Japão.

Estão abertas as inscrições para o principal concurso de qualidade de cafés especiais do mundo. Os produtores de grãos por via úmida, que são os cerejas descascados e ou despolpados/desmucilados, podem enviar suas amostras ao Cup of Excellence Brazil 2018 – Categoria Pulped Naturals até o dia 4 de setembro. Já os produtores de cafés naturais devem encaminhar seus lotes para o Cup of Excellence Brazil 2018 – Categoria Naturals – até o dia 11 do mesmo mês.

A competição é desenvolvida em parceria por Associação Brasileira de Cafés Especiais (BSCA), Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos (Apex-Brasil) e Alliance for Coffee Excellence (ACE).

O engenheiro agrônomo da Emater em Carlópolis (PR), Otávio Oliveira da Luz, relata que os paranaenses do Norte Pioneiro devem enviar alguns lotes para a competição. “No ano passado, alguns produtores de Joaquim Távora ficaram bem classificados”, relembra ele.

Neste ano, o pessoal também se prepara para o Concurso Café Qualidade Paraná, com lotes que podem ser encaminhados até setembro. O encerramento da competição acontece no dia 31 de outubro, em Pinhalão (PR). Há também outros concursos que estão surgindo, inclusive um promovido pela marca 3 Corações, com foco apenas em mulheres.

Se o café da região, quando commodity, é comercializada na casa dos R$ 400 a R$ 450 a saca, o engenheiro da Emater explica que o valor de pelo menos R$ 200 a mais quando se trata de uma saca especial. “[Por todo o trabalho], é preciso vender a R$ 800 para compensar. Vejo que o pessoal tem vendido a R$ 1 mil a R$ 1,6 mil a saca.”

Ele relata que em Jacarezinho (PR) existe uma exportadora chamada Capricornio Coffees, que recentemente enviou para a Austrália 170 sacas de cafés especiais produzidos por mulheres, aproveitando a onda da qualidade da região e respeito ao trabalho do gênero feminino. “Através do Grupo Olam, uma grande exportadora, também comercializamos 200 sacas de café para a Mitsubishi. Um grupo da empresa do Japão inclusive vai estar na região para visitar propriedades de Pinhalão (PR) e Carlópolis (PR) que produziram esse café.”

 

Fonte: Folha de Londrina

Powered by Rock Convert

Related posts

Vietnã em ritmo chinês

Revista Attalea Agronegócios

Norte Pioneiro aproveita demanda “tsunami” de cafés especiais

Revista Attalea Agronegócios

Workshop discute estudo sobre suspensão da vacinação contra febre aftosa

Deixe um comentário