Café

Café da Costa Rica – Registros de uma ótima experiência

SÉRGIO PARREIRAS PEREIRA 
Pesquisador Científico do Instituto Agronômico – IAC; 
Idealizador e Articulador da REDE SOCIAL DO CAFÉ

A Costa Rica, tradicional país produtor de cafés especiais na América Central, sediou o Café World Summit (CWS) em San José, de 20 a 23 de março. O principal propósito do CWS foi fomentar a troca de conhecimentos, impulsionar a inovação, incentivar práticas sustentáveis e promover o desenvolvimento do setor cafeeiro.

O evento compreendeu um dia de campo e três dias de sessões plenárias no Centro de Convenções de San José. A realização do evento foi fruto da colaboração entre instituições públicas e privadas da Costa Rica, concentradas no agronegócio do café. Fui convidado pela comissão organizadora do CWS, em virtude da parceria da Rede Social do Café como uma das mídias colaboradoras.

Dia de Campo na Finca La Hilda

O Café World Summit 2024 teve início na Finca La Hilda, uma propriedade cafeeira tradicional na província de Alajuela. Lá, os participantes se envolveram em uma experiência tecnológica, com demonstrações de campo de soluções biológicas, agricultura regenerativa, eficiência nutricional, sistemas agroflorestais e ferramentas digitais. Mariano Vargas, proprietário da Finca La Hilda e organizador do Café World Summit 2024, liderou a recepção ao público juntamente com a equipe do evento.

O foco principal foi a partilha de conhecimentos, com especialistas analisando como as tecnologias estão aprimorando a eficiência e a sustentabilidade da produção de café. As estações de campo contaram com a participação de empresas e entidades como Syngenta, Disagro, Universidade de Costa Rica, Brandt, ICAFÉ – Instituto do Café de Costa Rica e a brasileira Santa Clara.

O Foro al Grano, plenária do CWS,  ocorreu por três dias no Centro de Convenções da Costa Rica, em San José, com o objetivo de melhorar a tomada de decisões dos cafeicultores e consultores, promovendo conexões por meio de apresentações e debates com profissionais renomados do setor cafeeiro mundial.

Foro al Grano no Centro de Convenções

No primeiro dia, foram realizadas três sessões com diferentes enfoques, abordando temas como pacto verde, emergência climática e regeneração de solos, além de uma mesa redonda sobre cafeicultura global sustentável, navegando no pacto verde europeu.

O segundo dia do Foro al Grano foi focado em apresentações técnicas de tecnologias, práticas e soluções voltadas para o setor cafeeiro, tratando de qualidade, inteligência artificial, águas residuárias, fisiologia, bioestimulantes, genética, sombreamento, ferrugem, controle biológico, sistemas integrados, agricultura regenerativa e mercado de carbono. Houve ainda duas mesas redondas: otimização do cultivo de café, e a segunda sobre a construção de um futuro resiliente para o café, dialogando sobre práticas regenerativas.

Encerramento do CWS com Mariano Vargas, Elisa Quesada e Roger Plana, organizadores do evento.

O terceiro e último dia do Foro al Grano concentrou-se na parte da manhã, já que à tarde ocorreu a final do Campeonato Nacional de Café Coado. Entre os temas abordados, destacam-se o georreferenciamento de lavouras, agricultura regenerativa, produção sustentável, manejo biológico e ecofisiologia.

O Café World Summit 2024 foi um marco significativo para a comunidade de cafeicultores e profissionais do setor, uma vez que não apenas promoveu o intercâmbio de ideias, mas também inspirou ação tangível e colaboração contínua para o benefício de todos os envolvidos na cadeia produtiva do café. Este evento sem dúvida deixou um legado duradouro e inspirador para a comunidade cafeeira da América Central e global.

Durante a estadia na Costa Rica, além da experiência prática no dia de campo na Finca La Hilda, tive a oportunidade de participar de três visitas técnicas igualmente interessantes. Visitei a Hacienda Alsacia, a fazenda de café da Starbucks; o CICAFÉ – Centro de Investigações em Café; e o CATIE (Centro Agronômico Tropical de Pesquisa e Ensino), cada um oferecendo uma perspectiva única e valiosa sobre pesquisa, ensino e extensão rural voltada ao Café da Costa Rica. 

HACIENDA ALSACIA

Materiais em seleção na Hacienda Alsacia Starbucks Coffee Farm

A jornada técnica começou na Hacienda Alsacia Starbucks Coffee Farm, adquirida pela empresa em 2013. Esta propriedade de 240 hectares, situada nas encostas do vulcão Poas, na província de Alajuela, a cerca de uma hora de San José, desempenha um papel fundamental como centro global de Pesquisa e Desenvolvimento da Starbucks. Fui recebido por Carlos Mario Rodriguez, diretor de pesquisa e desenvolvimento global da Starbucks, e pela engenheira agrônoma Sara Bugantes.

A Hacienda Alsacia destaca-se pela sua ampla diversidade genética e pelo seu papel no desenvolvimento de híbridos mais tolerantes às mudanças climáticas. Além disso, a propriedade conta com uma cafeteria, onde os visitantes podem desfrutar de excelentes cafés enquanto apreciam a deslumbrante vista panorâmica das montanhas cafeeiras ao redor.

Com Carlos Mario Rodriguez
Torrador na cafeteria da Hacienda Alsacia Starbucks Coffee Farm

CICAFÉ – CENTRO DE INVESTIGAÇÕES EM CAFÉ

Visitei também o CICAFÉ, ligado ao ICAFE – Instituto do Café da Costa Rica, uma instituição pública que desempenha um papel vital na cafeicultura costarriquenha desde 1933. Fui recebido pelo diretor de pesquisa do ICAFÉ, Miguel Barquero, e pelos engenheiros agrônomos Stephanie Sibaja e Martin Hidalgo Rodrigues, que apresentaram as instalações do CICAFÉ na província de Heredia.

Ao percorrer as áreas experimentais, pude testemunhar uma ampla gama de pesquisas em andamento, incluindo a avaliação de materiais genéticos de diversas origens, incluindo cultivares brasileiras amplamente difundidas na Costa Rica. Destaca-se também o sistema de arborização utilizado em grande parte da América Central, que ajuda a mitigar os efeitos das mudanças climáticas, melhorando a fertilidade do solo e a qualidade do café.

Tive ainda a oportunidade de interagir com diversos técnicos especialistas em análises sensoriais, bioquímicas e genéticas, assim como em manejo de solos, águas residuárias e café torrado e moído. O ICAFÉ desempenha um papel crucial na prestação de serviços essenciais à cafeicultura costarriquenha, com presença em seis das principais regiões produtoras através de suas unidades regionais.

Sede do CICAFÉ – Centro de Investigações em Café
Com Miguel Barquero, Stephanie Sibaja e Martin Hidalgo Rodrigues

CATIE (CENTRO TROPICAL DE PESQUISA E ENSINO AGRONÔMICO):

Por fim, visitei o CATIE, uma instituição internacional dedicada ao desenvolvimento agrícola e à conservação biológica na América Central e no Caribe. Recebi a acolhida dos pesquisadores William Solano e Rolando Cerda, que nos guiaram pelo banco de germoplasma do gênero Coffea, conhecido como Coleção Internacional de Café, que abriga uma vasta gama de materiais genéticos, incluindo introduções silvestres, variedades, linhagens, mutantes e seleções com resistência à ferrugem.

O Programa de melhoramento genético têm contribuído para a liberação de híbridos de café que atualmente começam a ser cultivados em propriedades da América Central. Destacamos também a visita ao ensaio “Sistemas Agroflorestais com café”, que visa gerar conhecimento sobre as complexas interações entre clima, solo, sombra e variedades de café, visando o desenvolvimento de estratégias sustentáveis de produção. A engenheira florestal María José Cervantes Calderón me acompanhou nessa parte da visita.

Sede do CATIE -Centro Tropical de Pesquisa e Ensino Agronômico
Com William Solano (Catiê) e Stephanie Sibaja (ICAFÉ)
Ensaio “Sistemas Agroflorestais com café”,

Em resumo, minha experiência na Costa Rica foi verdadeiramente enriquecedora e inspiradora, repleta de aprendizado e intercâmbio de conhecimentos com alguns dos principais especialistas do mundo cafeeiro. 

PARTICIPANTES DO SORTEIO DA REDE SOCIAL DO CAFÉ

No mês de fevereiro, a Rede Social do Café realizou um sorteio especial, oferecendo cinco ingressos do tipo “Full Experience Pass”, garantindo acesso completo ao Café World Summit (CWS). Entre os sorteados, dois tiveram o prazer de marcar presença no evento: Gustavo Guimarães, Superintendente da Fundaccer (Fundação de Desenvolvimento do Cerrado Mineiro), e Elisabete Kim Shih, da Fazenda São Sebastião em São Thomé das Letras.

Além deles, o CWS 2024 contou com a participação de aproximadamente duas dezenas de brasileiros, representando tanto a iniciativa privada quanto o setor público, seja como palestrantes ou como ouvintes.

Com Elisabete Kim Shih e Gustavo Guimarães

Related posts

[ATLANTICA COFFEE] – Relatório Semanal 19 Jan 2024

carlos

[Fernando Barbosa] – Momento histórico com a cafeicultura no Brasil

Mario

Inscrições abertas para o 22º Concurso Estadual de Qualidade do Café “Aldir Alves Teixeira”

carlos

Deixe um Comentário

Este site utiliza cookies para melhorar sua experiência. Presumiremos que você concorda com isso, mas você pode cancelar se desejar. Aceitar Leia Mais