Café

Café Agricultor Todo Dia valoriza cafeicultores brasileiros em projeto especial com histórias inspiradoras

Promovido pela IHARA, Café Agricultor Todo Dia prestigia o trabalho dos produtores rurais, que cultivam a bebida mais amada do Brasil.

Com o sucesso dos episódios da Websérie Agricultor Todo Dia, que retratam a cafeicultura brasileira, a paixão pelo café, uma das bebidas mais apreciadas do Brasil, ganha um novo motivo para ser celebrada. A IHARA, empresa de defensivos agrícolas, presta homenagem aos cafeicultores em projeto especial “Café Agricultor Todo Dia“, fabricado pela Cooperativa Cooxupé, que visa valorizar o trabalho árduo dos produtores rurais no cultivo do café, registrando a história de seis famílias, por meio de embalagens personalizadas.

“Essas histórias, transmitidas por meio da Websérie Agricultor Todo Dia, refletem a grandeza dos mais diversos cultivos produzidos no Brasil e, em especial, o do café e como a união de experiências e conhecimentos junto às cooperativas rende frutos maravilhosos. Agora com a edição Especial do Café Agricultor Todo Dia, queremos reconhecer e prestar mais uma homenagem aos cafeicultores que dedicam suas vidas a esse cultivo tão especial, além de oferecer aos consumidores uma bebida de qualidade produzida por essas famílias”, enfatiza o consultor de Comunicação de Produtos, Cristiano Santana.

Para o diretor de Marketing, Cultura e Acesso da IHARA, Rodrigo Lima, valorizar a cafeicultura não é apenas apreciar uma xícara de café, é reconhecer o empenho dos cafeicultores que dedicam suas vidas para cultivar essa preciosidade e garantir um futuro sustentável para toda a cadeia produtiva. “A cafeicultura não é apenas um cultivo; é uma tradição que merece ser reconhecida e preservada. Por isso, nós da IHARA, não medimos esforços para levar ao cafeicultor brasileiro o que há de mais inovador e eficiente em proteção de cultivos”, complementa Lima.

Agricultor Todo Dia – Especial Café | Homenagem da IHARA aos cafeicultores brasileiros

Histórias das famílias homenageadas nas embalagens

Família Araujo: seus avós iniciaram os trabalhos na cafeicultura e a paixão pela lavoura rende sorrisos a Luiz, que deixou sua carreira na odontologia para voltar ao que o faz feliz: o café. Tanto que ele tem se especializado cada vez mais em estudos para continuar o que os avós começaram, agora com mais tecnologia e sustentabilidade.

Família Cobra está na 5ª geração de produtores. Tudo começou com o tataravô, Venerando Ribeiro da Silva, filho de imigrantes portugueses, nascido em Baependi (MG), que chegou à região para o cultivo da terra e foi um dos fundadores de Mococa (SP), município vizinho à fazenda. Na propriedade, há boas práticas sustentáveis e espaço para a ciência com área destinada a pesquisas.

Família Costa produz cafés especiais há três décadas em altitudes superiores a 1.100 metros. Seguem critérios sustentáveis, fazem a proteção da lavoura e também contam com a ajuda do clima, favorável ao sabor e ao aroma peculiares de suas produções cafeeiras. Assim, a bebida tem ganhado destaque com notas superiores a 84 pontos na escala SCA.

Família Faria venceu os desafios que a área de Cerrado impõe na produção de café, pois ali não bastava a altitude que o cultivo requer, mas, sim, a atitude em adaptar-se, passando por um cultivo artesanal que daria o sabor especial à bebida e ao legado da família.

Família Ribeiro – Cláudia faz parte da terceira geração de uma família de cafeicultores e dá continuidade aos sonhos de seus avós, na Fazenda Roseirinha. Lá, produzem café premium de sabor e aroma únicos com um cultivo que segue receitas de família, sem deixar de acompanhar as novas tecnologias para aprimorar a qualidade da produção.

Família Souza – A paixão pelo cultivo de café passou de geração a geração. A lida diária leva o orgulho de oferecer um fruto de qualidade, que chega à mesa das pessoas como uma bebida premium de aroma e sabor inconfundíveis. A 1.100 metros de altitude, o clima é de amor à terra e ao planeta, com produção que respeita os parâmetros de sustentabilidade e usa tecnologias que dão gosto de trabalhar pelo cultivo que é bem brasileiro.

Produtividade do café em alta para safra 2024

O café não é apenas uma bebida, mas um símbolo da cultura nacional e mundial. Desde uma simples recepção até ambientes sofisticados, ele está presente, tornando-se um elemento essencial no dia a dia das pessoas. E não é à toa que produtividade desse cultivo vem crescendo a cada safra. Segundo a Companhia Nacional de Abastecimento (CONAB), a produção total da safra dos cafés do Brasil em 2024 deverá se confirmar como o ano de bienalidade positiva, com previsão estimada de 58,08 milhões de sacas de café beneficiado, o que representa 5,5% superior à produção de 2023.

Para que o cafeicultor consiga produzir cada vez mais e melhor, a IHARA investe no desenvolvimento de tecnologias disruptivas, contribuindo no controle dos principais alvos que acometem as lavouras. Nesse sentido, os produtores de café podem contar com o SPIRIT SC, desenvolvido com uma molécula inédita e exclusiva no Brasil, que alia inseticida e fungicida em um único produto. Além de proteger o cafezal contra o bicho-mineiro, o SPIRIT SC também combate a ferrugem e a cigarra-do-café, agregando valor em todo o ciclo produtivo.

Outro destaque da empresa é o FUSÃO EC, fungicida sistêmico para o controle da ferrugem no café, considerada a doença mais grave e prejudicial na lavoura cafeeira. O produto pode ser aplicado, inclusive, em pulverizações preventivas. Essa ferramenta também se apresenta como uma opção importante para o manejo de resistência, com desempenho superior ao existente no mercado ao oferecer alta velocidade de absorção.

Para o controle de plantas daninhas, o cafeicultor pode contar com duas tecnologias que compõem o portfólio dos “Herbicidas do Futuro IHARA”, sendo elas: FALCON, desenvolvido com a revolucionária tecnologia Yamato, oferecendo alta seletividade e longo residual. Graças à ação pré-emergente, controla as daninhas resistentes de folhas largas e estreitas antes mesmo de emergirem nas lavouras. Com essa inovação, a cultura já começa a se desenvolver no limpo, evitando a matocompetição inicial. Outro destaque dessa linha é o YAMATO, herbicida pré-emergente que controla diversas espécies de daninhas resistentes como capim-braquiária, capim-colchão, capim-amargoso, capim-colonião com alta seletividade e longo residual, sem prejudicar o cultivo. 

Related posts

UFLA apresenta em Brasília (DF) portfólio de tecnologias para a cafeicultura

Mario

Tecnologias disruptivas na cafeicultura é tema de seminário da Università del Caffè Brazil

Mario

Cafés premiados em concursos promovidos pelo Governo de Minas já podem ser comercializados

carlos

Deixe um Comentário

Este site utiliza cookies para melhorar sua experiência. Presumiremos que você concorda com isso, mas você pode cancelar se desejar. Aceitar Leia Mais