Powered by Rock Convert
Revista Attalea Agronegócios
Image default
Café NOTÍCIAS

Brasil produz 45% da safra mundial de café arábica

Produção mundial de café arábica deverá atingir 97 milhões e robusta 61 milhões, totalizando 158 milhões de sacas de 60kg

 

A produção mundial de café do ano-safra 2017-2018 foi reestimada e deverá atingir um volume equivalente a 158,56 milhões de sacas, o que denota uma pequena redução de 0,3% em relação ao mesmo período anterior. Neste cenário, estima-se também uma queda de 6,6% na produção de cafés arábicas, os quais deverão colher um volume de 97,16 milhões de sacas, e, em contrapartida, aumento de cafés robustas em torno de 11,5%, pois esse tipo de café produzirá 61,40 milhões de sacas de 60kg nesse ano.

Especificamente em relação à produção total dos Cafés do Brasil, nesta safra, a qual está estimada em 58,04 milhões de sacas, o que equivale a 36,6% da mundial, das quais 44,33 milhões de sacas são de arábica e 13,71 milhões de sacas de robusta, verifica-se que os arábicas brasileiros correspondem a 45,6% dos arábicas e os robustas brasileiros a 22,3%, se comparados exclusivamente com esses mesmos tipos de café em nível mundial.

Com base nos números da safra global citados, se comparados com o mesmo período anterior, constata-se que a produção deverá aumentar em quase todas as regiões produtoras do planeta. Assim, estão previstos aumentos de 5,3% nos países produtores da África, continente que atingirá um volume total de 17,63 milhões. Também haverá aumento de 7,9% na produção dos países da Ásia & Oceania, cuja safra foi estimado em 48,44 milhões. E ainda haverá registro de aumento de 7% no México & América Central, região que produzirá algo como 21,92 milhões de sacas de 60kg. De outro lado, nas regiões cafeeiras da América do Sul haverá uma redução média de 8,2% na produção, o que implicará colher aproximadamente 70,57 milhões de sacas de 60kg.

Esses números e análises da performance da cafeicultura mundial constam do Relatório sobre o mercado de Café – (junho 2018, da Organização Internacional do Café – OIC). Adicionalmente, vale esclarecer que o ano-cafeeiro da OIC (Coffee year) em nível global compreende o período de outubro a setembro.

Conforme ainda consta do Relatório da OIC, no que concerne especificamente às exportações de café, o volume exportado em maio de 2018 foi de 9,27 milhões de sacas, número que representa uma redução em torno de 12,4% abaixo do total exportado em maio do ano passado. Contribuíram para esse declínio o fato de as exportações de cafés robustas terem diminuído 4,4%, as quais atingiram um volume de 3,65 milhões de sacas, e, mais que isso, as exportações de cafés arábicas também diminuíram 17%, pois atingiram apenas 5,62 milhões.

Para a OIC, de acordo ainda com o Relatório sobre o mercado de Café, embora no mês de maio de 2018 as exportações de café ‘Suaves Colombianos’ tenham aumentado 11,6%, ao totalizar 1,08 milhão de sacas, esse aumento não compensou a queda das exportações de ‘Outros Suaves’ e dos ‘Naturais Brasileiros’, segundo esses parâmetros de classificação dos cafés adotados pela Organização. Nesse caso, as exportações de Outros Suaves diminuíram 15,5%, cujo volume foi de 2,46 milhões de sacas, e os de Naturais Brasileiros diminuíram 27,9% – com 2,08 milhões. Com essa performance, o total exportado no período de outubro de 2017 a maio de 2018 foi 0,5% inferior ao exportado no mesmo período anterior.

Com isso, nos oito primeiros meses do ano cafeeiro 2017-2018, as exportações dos cafés arábicas caíram 2,4%, ao somar 50,2 milhões de sacas, e as exportações de Suaves Colombianos e Naturais Brasileiros caíram 6,8% (9,45 milhões de sacas), e 4,1% (22,95 milhões), respectivamente. Em contrapartida, as exportações de Outros Suaves aumentaram 2,6% – com 17,76 milhões, em relação ao mesmo período anterior. Nesse mesmo período, as exportações de robustas alcançaram 29,79 milhões de sacas, ou seja, 2,8% acima do volume anterior.

OIC – Instituição representativa da cafeicultura mundial sediada em Londres, da qual o Brasil é país-membro, que congrega 76 países produtores e consumidores de café e administra o Acordo Internacional do Café (AIC). Para saber mais sobre a participação do Brasil no AIC, acesse o site da OIC. No contexto desse Acordo, a Embrapa Café, por meio do Comitê Diretor do Acordo Internacional – CDAI, do Conselho Deliberativo da Política do Café – CDPC/Mapa, participa da análise, discussão, aprovação e gestão das ações, projetos e programas relacionados às questões do mercado mundial do café.

Powered by Rock Convert

Related posts

Café paranaense aprovado pela Mitsubishi, no Japão.

Revista Attalea Agronegócios

Norte Pioneiro aproveita demanda “tsunami” de cafés especiais

Revista Attalea Agronegócios

Sindicato dos Produtores Rurais de Itabela (BA) lança a 12ª Festa do Café

Revista Attalea Agronegócios

Deixe um comentário