fbpx
Revista Attalea Agronegócios
Image default
Bovinos de Corte

Brasil perde 16 milhões de cabeças de gado por ano por falhas na sanidade

Em entrevista ao Giro do Boi concedida nesta quinta, dia 13, o doutor em medicina veterinária pela universidade Justus-Liebig, da Alemanha, Iveraldo Dutra, professor da UNESP em Araçatuba (SP), defendeu a criação de um plano nacional de saúde animal que organize e unifique os esforços das cadeias produtivas para evitar problemas de confiança em consumidores do mercado interno e também nos mercados importadores dos produtos brasileiros de origem animal.

“Nós organizamos os programas sanitários uma doença por vez de acordo com os mercados. Aftosa para acessar o mercado mundial, brucelose e tuberculose para acessar o mercado russo, a vaca louca e todas as medidas de vigilância para acessar a Europa, mas a gente foi deixando de lado muitas questões que são da porteira para dentro, como a mastite, que nunca vai ser uma barreira sanitária, agora resíduo de antibiótico no leite pode constituir uma barreira sanitária. Resíduo de antibiótico na carne do boi pode ser uma barreira sanitária. E nós não fizemos esta adequação. Chegou muito pouco para o produtor de uma maneira eficiente essa comunicação de que os cuidados da porteira para dentro são essenciais. Isso nós não fizemos de uma maneira clara porque o mercado faz, as indústrias fazem, orientam sobre as vacinas, sobre o uso de antibiótico, mas ninguém organiza todo esse conhecimento para evitar essas doenças que causam prejuízo muito grande dentro dos rebanhos e colocam também em risco a qualidade do nossos produtos, a confiança do consumidor interno e também estas questões que restringem o mercado internacional”, sustentou o professor da UNESP.

Dutra chamou atenção para o volume de 16 milhões de bovinos que morrem dentro das propriedades todos os anos, uma taxa de mortalidade de 8% que preocupa pela expressividade. “Isso é uma ineficiência enorme porque se eu tenho 5% de mortalidade, em dez anos eu perco metade do meu estoque efetivo anual de rebanho. A cada 20 anos eu perdi o estoque anual de 200 milhões de cabeças se eu tiver 5% de mortalidade. Nó Brasil, nós convivemos com 8%. A base para nós é 0,46% na pecuária extensiva que se aceita de mortalidade de mamando a caducando”, alertou o professor da UNESP.

Veja a entrevista completa no vídeo abaixo:

Foto: reprodução / Embrapa Gado de Corte

Related posts

Estado da Paraíba “proíbe” a utilização da Inseminação Artificial na pecuária

Revista Attalea Agronegócios

Cresce a procura pela genética da raça Wagyu

Revista Attalea Agronegócios

Certificadora Cdial Halal promove workshop sobre Bem-Estar Animal com Erika Voogd

Revista Attalea Agronegócios

Deixe um comentário