fbpx
Revista Attalea Agronegócios
Image default
ARTIGOS

[Bernardo de Castro] – Tecnologia agrícola: desafios para 2019

BERNARDO DE CASTRO
presidente da Hexagon
(https://hexagonagriculture.com/pt-br)

 

O mineiro Bernardo de Castro cresceu ouvindo conversas sobre os desafios de fazendas corporativas. Seu avô criava gado e seus tios trabalham como gestores em grandes empresas agrícolas. Aos 23 anos, criou com dois amigos a Arvus, startup de soluções para agricultura de precisão. Dez anos depois, em 2014, a empresa foi comprada pela sueca Hexagon, referência em soluções digitais. Bernardo se manteve na presidência. A Hexagon Agricuture desenvolve sistemas completos para o agronegócio. Na entrevista a seguir, Bernardo fala sobre os desafios tecnológicos da agricultura para 2019.

Quais são os principais desafios do agronegócio para 2019 e como a tecnologia pode ajudar a solucioná-las?

Bernardo – O agronegócio vende commodities e isso faz com que as margens de lucro sejam muito apertadas. A saída é aumentar a rentabilidade otimizando os processos. Hoje, os gestores de fazendas agrícolas buscam tecnologias  para utilizar recursos de forma inteligente e, assim, aumentar a produção sem ocupar mais terras, combater os efeitos climáticos e reduzir a dependência de mão-de-obra, cada vez mais escassa e menos qualificada no campo. Todos esses desafios podem ser resolvidos pela convergência tecnológica.

Como as agritechs têm colaborado nesse processo?

Bernardo – A missão da tecnologia é transformar o campo em fazendas digitais inteligentes. Ao automatizar e integrar tecnologicamente todos os processos agrícolas, o campo diminui desperdícios, reduz custos e ganha em eficiência. Esse é o objetivo de qualquer empresa. As soluções que desenvolvemos na Hexagon trazem resultados importantes como redução de máquinas agrícolas, otimização das rotas feitas pelos equipamentos, economia de combustíveis e uso eficiente de insumos.

O que é o conceito de uma fazenda inteligente?

Bernardo – É uma fazenda conectada e administrada por meio de soluções digitais capazes de integrar todos os processos agrícolas, de ponta a ponta. Essas ferramentas estão continuamente produzindo informações relevantes que orientam a tomada de decisões dos gestores. Munidos de tecnologia, os produtores têm respostas precisas resultando em eficiência dos processos e, claro, produtividade e lucratividade.

Essas fazendas já existem no Brasil ou ainda são uma ficção?

Bernardo – Já temos fazendas com praticamente todos os processos digitalizados. Na Hexagon, criamos soluções digitais completas que vão desde o planejamento para o cultivo até a colheita e o transporte de matéria prima. Hoje, estamos em quase um terço das usinas de cana-de-açúcar com produtos da nossa plataforma HxGN AgrOn. No ano passado, implantamos um sistema completo nas usinas do grupo São Martinho, um dos maiores do setor sucroenergético no mundo. Os resultados de nossa tecnologia combinada com outras ações do grupo já começaram a aparecer. Há clientes que já relataram uma redução de frota de mais de 30% com a adoção da tecnologia e de melhorias em seus processos. É um exemplo de como a tecnologia adequada pode fazer a diferença em uma operação agrícola.

Quais são os maiores obstáculos para concretizar a convergência tecnológica no campo?

Bernardo – Um dos maiores desafios é a fragmentação e o engessamento dos sistemas tecnológicos. Há muitas tecnologias que não se conversam e processos que não se interagem da melhor maneira, comprometendo os resultados. Por isso, investimos para oferecer soluções digitais completas aos clientes. Isso é possível porque fazemos parte de um grande grupo tecnológico, a Hexagon, que dispõe de diferentes tecnologias de ponta. Vemos a agricultura como uma grande fábrica com uma área produtiva. Como toda indústria, o campo precisa de processos integrados e eficientes para produzir mais com menos. Portanto, as mesmas técnicas de controle e sincronização que vemos em um chão de fábrica podem e devem ser aplicadas na agricultura. Sistemas de gestão, fluxo de informação, supervisão, controle, todas essas ferramentas de otimização dos processos são similares na indústria e no campo.

O que ainda precisa acontecer para que a tecnologia chegue em maior escala ao campo?

Bernardo – Um dos diferenciais em relação à indústria é a falta de conectividade. Em uma fábrica as máquinas são conectadas por cabos com infraestrutura suficiente para que sistemas digitais integrem todos os processos. No campo a conectividade ainda é desafio. Outro obstáculo é a falta de capacitação. A contínua formação de profissionais aptos a lidar com as novas tecnologias é fundamental para a rápida adoção das mesmas.

O que podemos esperar em novos desenvolvimentos tecnológicos para o campo?

Bernardo – Na Hexagon estamos combinando diferentes tecnologias no desenvolvimento de soluções digitais com a ideia de prever o futuro. Em qualquer atividade, antecipar problemas é a melhor forma de evitá-los e, assim, resolvê-los. Exemplos são a conclusão sobre o risco de falha de máquinas, permitindo manutenções preditivas da frota; identificação dinâmica de oportunidades de alocação de recursos, realocando-os de forma otimizada; identificação automática de infestação de pragas, antecipando ações de combate. Todas estas predições passam pelo sensoriamento, tecnologias de integração e análise inteligente de dados, especialidades da Hexagon.

Related posts

[Wanderley Cintra Ferreira] – Não, duas vezes não…

Revista Attalea Agronegócios

[Arthur Rodrigo Ribeiro] – Turismo Halal prevê gerar US$ 233 bi até 2020

Revista Attalea Agronegócios

[Ricardo Gomes da Silva] – Mercado de hortifrúti em 2018 e perspectivas 2019

Revista Attalea Agronegócios

Deixe um comentário