AgroindústriasAssociaçõesHortiFrutiNOTÍCIAS

ASSOOLIVE cria Selo de Origem Certificada para azeites da região da Mantiqueira e Sudeste

A ASSOOLIVE – Associação dos Olivicultores dos Contrafortes da Mantiqueira e Sudeste será responsável pelo gerenciamento o cumprimento das exigências dos produtores para o uso do selo.

ASSOOLIVE – Associação dos Olivicultores dos Contrafortes da Mantiqueira e Sudeste, que reúne trinta e dois pequenos e médios produtores de azeites nacionais da melhor qualidade, concentrados nos estados de São Paulo, Minas Gerais, Rio de Janeiro e Espírito Santo.

Segundo o presidente Moacir Batista do Nascimento Filho, a Associação foi criada em 2009, visando a união dos produtores num objetivo comum, o fortalecimento do setor e valorização do azeite brasileiro. “Temos orgulho de fazer parte da construção da história do azeite no Brasil, o mais rico produto funcional que a natureza nos oferece através do plantio. Com muita paixão, responsabilidade e rigor com a qualidade, queremos que o azeite dos Contrafortes da Mantiqueira seja reconhecido e apreciado nacionalmente por suas características únicas e especiais”, completa.

Moacir Nascimento (presidente da ASSOOLIVE) e esposa Maria de Lourdes Nascimento, com o seu azeito: Olivais de Catas Altas da Noruega

Especialmente na Mantiqueira as azeitonas são produzidas em pomares com “terroir” especial –  índice de chuva, altitude e temperatura – para a colheita de frutos saudáveis, resultando num azeite de baixa acidez e excepcional aroma e sabor, que atende ao paladar mais exigente. A safra do azeite, acontece anualmente entre fevereiro e abril e o grande diferencial é o seu frescor, pois é extraído, engarrafado e em seguida já chega à mesa do consumidor, diferentemente do azeite importado de outros países.

Cada “terroir” atribui ao azeite características particulares, ou seja, uma mesma variedade de azeitonas produzirá azeites diferentes de acordo com a sua origem. Nos contrafortes da Mantiqueira algumas espécies da fruta trazidas da Espanha, Grécia e Itália se adaptaram bem, resultando nas principais atualmente cultivadas, produzindo azeites do tipo monovarietal ou blends:  Arbequina – Koroneiki – Grappolo – Arbosana e Coratina. A azeitona Maria da Fé é a única essencialmente brasileira desenvolvida na cidade do mesmo nome, em Minas Gerais. 

Colheita de azeitonas -Azeite Sabia
Olival Veroli
Bia Pereira e Bob Vieira da Costa (Azeite Sabiá)

Em 2022 a ASSOOLIVE lançou o Selo de Origem Certificada, que os seus associados têm a opção de inserir nas garrafas de seus produtos, mediante atender importantes especificações, entre elas:

100% do azeite deve, obrigatoriamente, ser proveniente de oliveiras cultivadas em altitudes superiores a 900 metros, na região da Mantiqueira e Sudeste do Brasil, extraído de frutos somente por meios mecânicos sob condições que não levem à deterioração do azeite.

O azeite deve, obrigatoriamente, ser classificado como tipo Extravirgem e ter acidez livre, em termos de ácido graxo oleico livre, não superior a 0,4% (g/100g).

Na embalagem estar indicado o ano da safra, data de validade e lote do azeite. 

Análise química do azeite – deverá ser realizada por laboratório certificado pelo MAPA (Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento).

Mais informações sobre a ASSOOLIVE e os azeites nacionais, através do site www.assoolive.com.br

O produtor poderá renovar a cada safra o Selo de Origem Certificada de seus produtos, como importante referência de qualidade para o consumidor final. 

Azeite Serra que Chora e Azeite Veroli

A EPAMIG – Empresa de Pesquisa Agropecuária de Minas Gerais, informa que toda a região Sudeste produziu entre 120 a 150 mil litros de azeites na safra deste ano de 2022. Somente a ASSOOLIVE registrou em 2022 uma safra de 55.500 litros de azeites, resultado da produção de vinte e quatro produtores, dos 32 associados.

FONTE: Anice Aun Informação e Editoração Ltda
anice@aniceaun.com.br

Related posts

ENCA 2022: Empresários e especialistas analisam os desafios do cooperativismo na próxima década

Mario

Inoculantes e fertilizantes fisiológicos são alternativas para os produtores diante da alta dos insumos agrícolas

Mario

BRANDT Inaugura novo escritório na região de Londrina

Mario

Deixe um Comentário

Este site utiliza cookies para melhorar sua experiência. Presumiremos que você concorda com isso, mas você pode cancelar se desejar. Aceitar Leia Mais