Café

Assinado na Colômbia o novo Acordo Internacional do Café

O acordo atual do Acordo Internacional do Café (aprovado em 2007) entrou em vigor em 2 de fevereiro de 2011 e foi estendido até 2024, quando novo AIC entrará em vigor.

O Acordo Internacional do Café (AIC) é um importante instrumento de cooperação para o desenvolvimento mundial da cafeicultura. É um documento instituído no âmbito da Organização Internacional do Café (OIC), que foi estabelecida em 1963, quando o primeiro “Convênio Internacional”, negociado em 1962, entrou em vigor por um período de cinco anos.

Desde então, a OIC vem funcionando ininterruptamente ao abrigo de sucessivos Convênios – o Convênio de 1968 e suas duas prorrogações; o Convênio de 1976, com uma prorrogação; o Convênio de 1983 e suas quatro prorrogações; o Convênio de 1994, com uma prorrogação; e o Convênio de 2001, com quatro prorrogações. O mais recente – o Acordo Internacional do Café de 2007 – foi adotado pelo Conselho em setembro de 2007 e entrou definitivamente em vigor em 2 de fevereiro de 2011, vigente até fevereiro de 2024, que será sucedido pelo Novo Acordo assinado hoje (06/10), na Colômbia.

A cerimônia de assinatura do novo AIC, por parte de todos os 75 países membros, aconteceu em Bogotá, na Colômbia, durante a 134ª Sessão do Conselho da OIC. 

O documento final recebeu sugestões do Conselho Nacional do Café (CNC) que apontou quatro eixos a serem trabalhados para o aprimoramento da OIC: (i) aperfeiçoamento da governança e da gestão de processos; (ii) estatísticas e inteligência de negócios; (iii) negociações comerciais; e (iv) promoção do consumo global do café. 

A nova versão do documento global foi construída por um Grupo de Trabalho da Força-Tarefa Público-Privada do Café e inclui o setor privado na discussão e na formulação de soluções para aprimorar a condição de vida dos cafeicultores. É uma consequência da Resolução 465 da OIC, que trata da crise de preços do café. 

Como observador, visto que a OIC hoje é composta por representantes dos países membros, o CNC acompanha permanentemente as atividades, uma vez que a Organização é essencial para a manutenção da cafeicultura mundial. “Por isso, sugerimos que diante de quaisquer propostas ou intervenções realizadas dentro da OIC, o Conselho Deliberativo da Política do Café (CDPC) seja ouvido previamente, de forma que exista um alinhamento de qualquer proposta oficial, sendo que o representante na organização que tem direito a voto e à fala, no caso do Brasil, é o embaixador. No entanto, os elos da cadeia devem ser ouvidos e considerados, uma vez que há um bem em comum que une a todos, o café”, defendeu o presidente do CNC, Silas Brasileiro.

O novo Acordo Internacional

Os pontos chaves do novo Acordo também redefinem o sistema de votação interna da OIC e as contribuições dos governos membros para refletir melhor a transformação na cadeia global do café nos últimos 30 anos, levando em conta as distorções entre países produtores, consumidores, exportadores e importadores.

A partir dele, a OIC pode trazer todas as partes à mesa pela primeira vez e enfrentar os desafios por meio da cooperação internacional privada e pública, envolvendo seus governos membros, que representam 93% da produção mundial de café e 63% do consumo mundial. Hoje, o mundo bebe mais de 2 bilhões de xícaras de café por dia. O Brasil tem papel fundamental no mercado global, visto que de cada três xícaras consumidas no mundo, uma é do café produzido no Brasil.

O CNC está na Colômbia, acompanhando de perto todas as reuniões e encontros, sendo representado pelo presidente, Silas Brasileiro, pela secretária executiva, Márcia Chiarello e pela assessora técnica, Natalia Carr.

“O Conselho Nacional do Café contribuiu diretamente para a redação desta resolução, durante a construção do novo Acordo Internacional do Café (AIC), trazendo para dentro da OIC as torrefadoras, traders e demais atores do setor privado na discussão sobre a falta de renda no campo, de forma a compartilhar responsabilidades com todos os segmentos da cadeia produtiva sobre a sustentabilidade. Hoje é um dia histórico e estamos aqui com orgulho para presenciar esse momento”, explicou Silas Brasileiro.

Ivan Romero, presidente da OIC, destacou o momento histórico vivido na Colômbia. “Assinamos hoje o novo AIC, sessenta anos após o primeiro Convênio. Esse documento mantém o caráter intergovernamental da instituição e cria um novo quadro na organização com um grupo de trabalho que engloba o setor privado. Cremos que será um instrumento para maior transparência e dinâmica para a cafeicultura mundial. Que ele traga mais renda e prosperidade aos produtos de café de todo o mundo”.

Para Massimilano Fabian, representante do setor privado na União Europeia/Itália, as modificações do AIC vão proporcionar evolução à cafeicultura como um todo. “O setor privado pode fazer uma contribuição interessante para a OIC, sem mudar a essência da organização. Queremos colaborar para que a OIC seja cada vez mais atraente para todos os setores”.

Roberto Vélez,  CEO da Federação Nacional dos Cafeicultores da Colômbia, disse estarem os colombianos honrados em receber o evento numa sessão tão importante. “Aqui somos 540 famílias produtoras de café e todas elas estão orgulhosas de receberem a reunião do CIC, com esse momento histórico da assinatura do AIC. Queremos uma organização que nos represente e traga as soluções para o nosso setor cafeeiro”.

Diretora Executiva da OIC, a brasileira Vanúsia Nogueira, pontuou que a organização está evoluindo e que o novo AIC representa essa evolução. “Venho do setor privado e não estou acostumada com as formalidades da organização. Entretando, tive excelentes professores como Ivan Romero (presidente da OIC), Gerardo Patacconi (gerente de operações da OIC) e Marco Farani (embaixador do Brasil em Londres). Conto com o apoio de todos para fazermos a diferença em prol de toda a cadeia cafeeira mundial”.

No momento da assinatura do Acordo, o Brasil esteve representado (além do CNC), pelo embaixador Marco Farani – que foi o signatário brasileiro -, por  Pedro Tiê Candido Souza (Segundo-Secretário da Embaixada do Brasil em Bogotá), por Marcus Vinícius Segurado Coelho (adido agrícola na Colômbia), por Otávio Martins Maia (presidente da Emater/MG), por Gelson Soares Lemes (diretor técnico da Emater/MG), por Bernardino Cangussú Guimarães (coordenador técnico de cafeicultura da Emater/MG) e por Julian Silva Carvalho (assessor especial de café da Secretaria de Agricultura de Minas Gerais).

Related posts

2ª ALTA CAFÉ: o Evento da Cafeicultura Brasileira, acontecerá de 22 a 25 de março no Clube de Campo de Franca, município de Restinga (SP)

Mario

Simpósio Brasileiro de Pesquisa em Cafeicultura Irrigada é uma opção para conhecimento específico em irrigação

carlos

[ATLANTICA COFFEE] – Relatório Semanal 23 Fev 2024

carlos

Deixe um Comentário

Este site utiliza cookies para melhorar sua experiência. Presumiremos que você concorda com isso, mas você pode cancelar se desejar. Aceitar Leia Mais