Powered by Rock Convert
Revista Attalea Agronegócios
Image default
Bovinos de Leite

ASBIA contrata gestor executivo para ampliar projetos de fomento da inseminação artificial no Brasil

Com 30 anos de experiência no mercado de genética, o zootecnista Carlos Vivacqua assume o cargo com o desafio de ampliar a atuação da entidade no País

Com a expectativa de aquecimento do mercado de genética bovina em 2019, a ASBIA – Associação Brasileira de Inseminação Artificial vai intensificar as ações de fomento do segmento junto a órgãos governamentais e outras entidades. Para isso, a associação passará a contar, a partir de 1º de fevereiro, com um gestor executivo, que ficará responsável pela administração de suas atividades em conjunto com a Diretoria. Quem assume o cargo é o zootecnista Carlos Vivacqua Carneiro da Luz, que já presidiu a ASBIA entre os anos de 2014 e 2016 e que, atualmente, preside o Conselho de Administração da entidade.

De acordo com o presidente da ASBIA, Sergio Saud, a decisão por um gestor executivo vai ao encontro do plano de fortalecimento da entidade no País. “Desde a sua fundação, a ASBIA sempre foi gerenciada por uma Diretoria Executiva, composta por profissionais do setor que trabalham voluntariamente na entidade, paralelamente à suas responsabilidades nas respectivas empresas de atuação. Agora, com um profissional específico para gerenciar a entidade, poderemos dar sequência a uma série de projetos, participar de forma mais ativa de eventos e ter um posicionamento político do segmento mais intenso”, diz Saud.

Otimista com a possibilidade de fortalecimento do mercado de genética tanto no Brasil quanto no exterior, Carlos Vivacqua destaca que a primeira ação será a elaboração do plano estratégico de negócios da ASBIA para 2019. A medida será tomada durante a primeira reunião de trabalho da Diretoria, no dia 23 de janeiro, na sede da associação, em Uberaba/MG, com a presença do presidente Sergio Saud.

“O plano contemplará uma série de ações de fomento, dentre elas, a certificação e padronização do nível técnico dos cursos de Inseminação Artificial (IA) ministrados no Brasil e o aperfeiçoamento do Index ASBIA, relatório que traz a comercialização de sêmen no País e é uma ferramenta de trabalho importante utilizada por diversos segmentos do agronegócio”, explica Vivacqua.

O Index ASBIA é elaborado trimestralmente em parceria com o CEPEA (Centro de Pesquisas Econômicas da Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz – ESALQ/USP). Segundo o gestor executivo, a ASBIA pretende ampliar a parceria com o CEPEA para o desenvolvimento de pesquisas sobre o uso da inseminação nas propriedades.

A ASBIA ainda pretende reforçar sua atuação junto ao Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA) para ampliar os acordos bilaterais com países interessados na genética bovina brasileira, as linhas de crédito voltadas para aquisição de genética superior e a instalação de projetos de IA, dentre outras demandas. “As regiões com maior uso da inseminação são aquelas que tendem a investir mais em outras tecnologias voltadas para a produção pecuária eficiente e têm melhores índices de produtividade do rebanho”, esclarece Vivacqua.

Com 30 anos de atuação no mercado de genética, ele também tem em seu currículo MBA em Marketing, Pós-Graduação em Gestão Estratégica de Negócios pela Fundação Getúlio Vargas e Pós-Graduação em Administração de Marketing pela USP. Integrou o corpo docente da Faculdade de Administração de Empresas de 2001 a 2009, ministrando aulas de Marketing e Planejamento Estratégico e, para os cursos em nível de Pós-Graduação (MBA), entre 2004 e 2008.

Na área de consultoria, fez trabalhos de marketing e planejamento estratégico, tendo conduzido projetos para a World Wide Sires, a Caixa Econômica Federal e a Fatec – Faculdade de Tecnologia, entre outros.

EXPECTATIVA PARA 2019

A mudança na estrutura de gestão da ASBIA chega em um momento considerado positivo para a pecuária. “As recentes mudanças na política e no rumo da economia certamente contribuirão para gerar uma expectativa positiva e maior disposição dos pecuaristas de corte e produtores de leite em retomar os investimentos em inseminação artificial. Além disso, a oferta de milho e de soja sugere uma maior estabilidade nos preços de nutrientes, o que também contribuirá para um maior equilíbrio das contas da fazenda”, destaca o presidente da ASBIA.

Vivacqua também acredita na retomada do crescimento em 2019. “Fechamos 2018 com aumento das exportações de carne e retomada do emprego no País, o que levará a uma melhora na renda do consumidor e, consequentemente, ao aumento do consumo de lácteos e de carne. Todos esses fatores fortalecem o agronegócio e, também, o segmento de genética”, diz o gestor executivo da ASBIA.

Segundo ele, a inseminação artificial traz grande valor agregado para a pecuária, sendo o único insumo do agronegócio que deixa valor residual entre gerações, através do melhoramento genético animal. Por outro lado, tem um baixíssimo custo de produção, de apenas 2%. A expectativa da ASBIA é que, com a intensificação do fomento da técnica de IA, o número de fêmeas em idade reprodutiva inseminadas no País atinja taxas maiores. Atualmente, esse índice é de 15%.

SOBRE A ASBIA

Atualmente, a ASBIA representa 95% do mercado brasileiro de Inseminação Artificial. A entidade conta atualmente com 23 associados, entre empresas de inseminação artificial, de produção de embriões, de nutrição e as principais associações de raça, além de laboratórios envolvidos na área de reprodução bovina.

Related posts

MEGALEITE 2019 já movimenta a capital mineira

Leite: Cada um com os seus problemas

[Glayk Humberto e Vânia Mirelle] – Eficiência Alimentar: ferramenta de avaliação de desempenho do rebanho leiteiro

Revista Attalea Agronegócios

Deixe um comentário