Powered by Rock Convert
Revista Attalea Agronegócios
Image default
ARTIGOS Comércio Exterior Política Agrícola

[APTA/SP – IEA] – Balança Comercial dos Agronegócios Paulista e Brasileiro de Janeiro a Novembro de 2018

AUTORES
José Alberto Angelo (alberto@iea.sp.gov.br)
Carlos Nabil Ghobril (nabil@iea.sp.gov.br)
Marli Dias Mascarenhas Oliveira (marli@iea.sp.gov.br)

 

1- BALANÇA COMERCIAL DO ESTADO DE SÃO PAULO

No acumulado de janeiro a novembro de 2018, as exportações do Estado de São Paulo1 somaram US$47,86 bilhões (21,8% do total nacional), e as importaçõesUS$56,51 bilhões (34,0% do total nacional). Em relação ao mesmo período de 2017, o valor das exportações paulistas cresceu 3,3% e o das importações 11,1%, elevando odeficit comercial para US$8,65 bilhões (Figura 1).

Ao se analisar o comportamento mensal de novembro de 2018, as exportações do Estado de São Paulo somaram US$4,10 bilhões, e as importações US$4,94 bilhões, registrando um deficit de US$0,84 bilhão no mês. Na comparação com novembro de 2017, o valor das exportações paulistas cresceu 4,3%, enquanto o valor das importações apresentou queda de 1,0% (Tabela 1).

Na análise setorial do agronegócio, no acumulado dos 11 primeiros meses de 2018, na comparação com o mesmo período do ano anterior, o agronegócio3 paulista apresentou queda nas exportações (-13,0%), atingindo US$15,18 bilhões, enquanto as importações subiram (+1,6%), somando US$4,55 bilhões, reduzindo em 18,0% o saldo comercial em relação a 2017, registrando, ainda assim, superavit de US$10,63 bilhões (Figura 2).

Há que se destacar que as exportações paulistas nos demais setores da economia – exclusive o agronegócio – somaram US$32,68 bilhões de janeiro a novembro de 2018, e as importações US$51,96 bilhões, gerando um deficit externo desse agregado de US$19,28 bilhões. Assim, conclui-se que o deficit do comércio exterior paulista só não foi maior devido ao desempenho do agronegócio estadual, cujo saldo se manteve positivo (US$10,63 bilhões).

A tabela 2 apresenta os resultados mensais da balança comercial do agronegócio paulista. Nota-se uma redução de 12,6% nas exportações no mês de novembro de 2018 em relação ao mês anterior. Tal resultado é derivado do menor embarque em volume dos dois dos principais grupos de produtos, complexo sucroalcooleiro (-19,9%) e carnes (-8,1%). Já a comparação de novembro de 2018 com novembro de 2017 mostra também uma queda acentuada de 12,6%. Esses resultados confirmam as tendências verificadas nas análises da balança comercial do mês de outubro de 20184.

 

Os cinco principais grupos nas exportações do agronegócio paulista, no acumulado até novembro de 2018, foram: complexo sucroalcooleiro (US$4,71 bilhões), seguido de setor de carnes (US$1,97 bilhão), sucos (US$1,73 bilhão), complexo soja (US$1,71 bilhão) e produtos florestais (US$1,70 bilhão). Esses cinco agregados representaram 77,9% das vendas externas setoriais paulistas (Tabela 3).

Ainda de acordo com essa tabela, na comparação com o mesmo período de 2017, houve importantes variações nos valores exportados dos principais grupos de produtos da pauta paulista, com destaque para o complexo sucroalcooleiro (-40,0%), carnes (+14,8%), sucos (+3,8%), complexo soja (+31,1%) e produtos florestais (+8,4%). Além desses produtos, o café, tradicional produto do agronegócio paulista, com exportações de US$508,26 milhões nos 11 meses de 2018, apresentou queda de 22,6% na comparação com o mesmo período do ano anterior. Essas variações nas receitas do comércio exterior se devem a composições das variações tanto de preços como de volumes exportados.

A participação das exportações do agronegócio paulista no total do estado diminuiu 6,0 pontos percentuais, enquanto a participação das importações recuou 0,7 ponto percentual, comparando-se o acumulado dos 11 primeiros meses de 2018 e de 2017 (Figura 3).

2 – BALANÇA COMERCIAL DO BRASIL

A balança comercial brasileira registrou superavit de US$53,88 bilhões no período de janeiro a novembro de 2018, com exportações de US$219,97 bilhões e importações de US$166,09 bilhões. O menor superavit comercial em relação ao mesmo período de 2017 (-13,1%) resultou do aumento nas importações (+20,2%) superior ao das exportações (+9,9%) (Figura 4).

No tocante aos dados mensais, em novembro de 2018, na comparação com outubro, os resultados indicam exportações e importações apresentando reduções, respectivamente de 4,7% e 9,1%. Já na comparação com o mês de novembro de 2017, as exportações brasileiras cresceram 25,4%, totalizando US$20,92 bilhões no mês, enquanto as importações cresceram 11,4% no mesmo período, somando US$14,64 bilhões. Assim, o resultado da balança comercial brasileira apresentou superavit de US$6,28 bilhões no mês, 77,4% maior do que o registrado em novembro de 2017 (Tabela 4).

 

Na análise setorial, no acumulado de janeiro a novembro de 2018, as exportações do agronegócio brasileiro aumentaram 4,6% em relação ao mesmo período do ano anterior, alcançando US$93,16 bilhões (42,4% do total nacional). Já as importações se mantiveram praticamente estáveis no período (-0,5%), alcançando US$12,91 bilhões.

superavit do agronegócio nesse período foi de US$80,25 bilhões, sendo 5,5% superior na comparação com o mesmo período do ano passado (Figura 5).

Portanto, o comércio exterior brasileiro só não foi deficitário devido ao desempenho do agronegócio, uma vez que os demais setores da economia, com exportações de US$126,81 bilhões e importações de US$153,18 bilhões, produziram nos 11 meses deste ano um deficit de US$26,87 bilhões.

A tabela 5 apresenta os resultados mensais da balança comercial do agronegócio nacional. Na comparação do mês de novembro de 2018 com o mês anterior, as exportações cresceram 0,1%, enquanto as importações tiveram queda de 0,8% também na comparação com o mês de outubro. Esses resultados indicaram um superavit de US$7,19 bilhões em novembro.

Portanto, o comércio exterior brasileiro só não foi deficitário devido ao desempenho do agronegócio, uma vez que os demais setores da economia, com exportações de US$126,81 bilhões e importações de US$153,18 bilhões, produziram nos 11 meses deste ano um deficit de US$26,87 bilhões.

A tabela 5 apresenta os resultados mensais da balança comercial do agronegócio nacional. Na comparação do mês de novembro de 2018 com o mês anterior, as exportações cresceram 0,1%, enquanto as importações tiveram queda de 0,8% também na comparação com o mês de outubro. Esses resultados indicaram um superavit de US$7,19 bilhões em novembro.

Os cinco principais grupos nas exportações do agronegócio brasileiro, no acumulado de janeiro a novembro de 2018 foram: complexo soja (US$38,71 bilhões), seguido por carnes (US$13,40 bilhões), produtos florestais (US$12,73 bilhões), complexo sucroalcooleiro (US$6,93 bilhões) e café (US$4,35 bilhões). Esses cinco grupos agregados representaram 81,7% das vendas externas setoriais brasileiras, com destaque para o grupo do complexo soja que no período analisado aumentou sua participação de 34,3% em 2017 para 41,6% em 2018 (Tabela 6).

A participação do agronegócio nos totais do País diminuiu em termos das exportações (-2,1 pontos percentuais) e também no tocante às importações (-1,6 ponto percentual) (Figura 6).

3 – PARTICIPAÇÃO DO ESTADO DE SÃO PAULO NO BRASIL

A participação paulista no total da balança comercial brasileira apresentou ligeira diminuição nas exportações (-1,3 ponto percentual) e nas importações (-2,8 pontos percentuais) (Figura 7). Isso ocorreu pois, enquanto as exportações paulistas aumentaram 3,3% de janeiro a novembro de 2018, as exportações brasileiras cresceram, no mesmo período 9,9%; quanto às importações, o aumento em São Paulo foi de 11,1%, inferior ao do Brasil de 20,2%.

Em relação ao agronegócio brasileiro, as exportações setoriais de São Paulo no período analisado representaram 16,3%, ou seja, 3,3 pontos percentuais inferiores ao mesmo período de 2017, enquanto as importações representaram 35,2%, sendo 0,7 ponto percentual superior ao verificado nos 11 primeiros meses de 2017 (Figura 8).

______________________________________________________________

1Estado produtor (Unidade da Federação exportadora), para efeito de divulgação estatística de exportação, é a Unidade da Federação onde foram cultivados os produtos agrícolas, extraídos os minerais ou fabricados os bens manufaturados, total ou parcialmente. Neste último caso, o estado produtor é aquele no qual foi completada a última fase do processo de fabricação para que o produto adote sua forma final.

2Estado importador (Unidade da Federação importadora) é definido como a Unidade da Federação do domicílio fiscal do importador.

3Os grupos de produtos dos agronegócios podem ser vistos em: MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO – MAPA. Agrostat. Brasília: MAPA, 2018. Disponível em: <http://indicadores.
agricultura.gov.br/agrostat/index.htm >. Acesso em: dez. 2018.

4ANGELO, J. A.; GHOBRIL, C. N.; OLIVEIRA, M. D. M. Balança comercial dos agronegócios paulista e brasileiro de janeiro a outubro de 2018. Análises e Indicadores do Agronegócio, v. 13, n. 11, p. 1-11, nov. 2018. Disponível em: <http://www.iea.sp.gov.br/out/TerTexto.php?codTexto=14535>. Acesso em: 10 dez. 2018.

Powered by Rock Convert

Related posts

Governo anuncia Plano Safra e confirma orçamento recorde do Funcafé

[Grupo Vittia – Samaritá] – Micronutrientes na Lavoura Cafeeira

Revista Attalea Agronegócios

Ministra recebe propostas da CNA para o Plano Safra 2019/2020

Revista Attalea Agronegócios

Deixe um comentário