NOTÍCIASPolítica Agrícola

Análise do Cadastro Ambiental Rural deve ser automatizada, disse Valdir Colatto

Diretor do Serviço Florestal disse que a medida permitirá avançar com os programas de regularização ambiental. Em reunião com secretários de meio ambiente, defendeu “a construção de pontes com a agricultura”.

O diretor geral do Serviço Florestal Brasileiro, Valdir Colatto, apresentou nesta semana durante a 87° reunião da Associação Brasileira de Entidades Estaduais de Meio Ambiente (Abema) novas diretrizes e agenda estratégica do órgão, a partir da incorporação ao Ministério da Agricultura (Mapa). A reunião foi realizada em Brasília e contou a presença dos secretários de meio ambiente de 26 estados e do Distrito Federal.

O diretor, que é engenheiro agrônomo e foi deputado federal membro da Frente Parlamentar Agropecuária, falou sobre sua participação na elaboração do Código Florestal Brasileiro e enfatizou a necessidade e a oportunidade de harmonizar a produção agrícola com a conservação do meio ambiente.

Colatto apresentou principais agendas do órgão: o Inventário Florestal Nacional, as concessões de florestas públicas e a gestão nacional de instrumentos do Código Florestal Brasileiro, como o Cadastro Ambiental Rural (CAR), os Programas de Regularização Ambiental (PRA) e as Cotas de Reserva Ambiental (CRA), que, conforme afirmou, ainda dependem de definições legais para serem efetivamente implementadas.

Automatização

Sobre a implementação do Código Florestal Brasileiro, o diretor-geral enfatizou a necessidade de desenvolver procedimentos que automatizem a análise dos cadastros de maneira a viabilizar os Programas de Regularização Ambiental (PRA), que segundo ele, são a conclusão do Código Florestal.

“Entendemos que a análise do CAR é um dos nossos maiores desafios. Vamos desenvolver estudos para propor um modelo nacional para que os estados acelerem a análise desses mais de 5,5 milhões de cadastros, para enfim chegar ao PRA”, afirmou.

AUTODECLARAÇÃO

O diretor ainda assinalou a importância da integração entre a União e os estados para avançar em proposta integrada para que os proprietários e possuidores rurais façam seus Programas de Regularização Ambiental por meio de autodeclaração, como na fase de inscrição dos cadastros.

“Queremos que o PRA seja declaratório, como o CAR. Assim, daremos agilidade ao processo e teremos redução dos custos dos produtores e do setor público possibilitando, enfim, um desenvolvimento sustentável, trabalhando a questão ambiental, social e econômica de forma harmônica”, disse.

INTEGRAÇÃO MEIO AMBIENTE E AGRICULTURA

Valdir Colatto reconheceu a diversidade de realidades enfrentadas pelos estados e convidou os secretários de Meio Ambiente a darem sugestões para melhor integrar as agendas ambiental e agrícola. “Gostaria de contar com a aproximação de vocês com a agricultura. O conflito não leva a lugar nenhum. Precisamos construir pontes neste processo”, finalizou.

Related posts

Governo de SP isenta de ICMS hortaliças e frutas que passam por processamento mínimo

Mario

Iniciativa Caminhos da Semente coloca em prática plano de ação para recuperar vegetação nativa

Mario

Café Conilon: Netafim desenvolve tecnologia pioneira de irrigação subterrânea no Sul da Bahia

Mario

Deixe um Comentário

Este site utiliza cookies para melhorar sua experiência. Presumiremos que você concorda com isso, mas você pode cancelar se desejar. Aceitar Leia Mais