Powered by Rock Convert
Revista Attalea Agronegócios
Agricultura Natural

[Ana Maria Primavesi] – Técnicas de cultivo na Agricultura Ecológica: Toda a vida depende do solo.

ANA MARIA PRIMAVESI

Engenheira Agrônoma, nascida e formada na Áustria em 1920. Foi a primeira agrônoma a afirmar que o solo tem vida. Durante seu período de faculdade a Europa enfrentava a 2ª Guerra Mundial e ela persistiu em seus estudos, determinada a estudar o solo, sua grande paixão. Casou-se com Artur Primavesi ainda na Áustria e o casal imigrou para o Brasil, onde viveram em Minas Gerais, São Paulo e Rio Grande do Sul. Ícone da Agricultura Ecológica, escreveu o livro que seria o divisor de águas na compreensão da prática natural da agricultura: “Manejo Ecológico do Solo”. Além desse, outros livros foram publicados e que foram relançados pela Editora Expressão Popular (https://www.expressaopopular.com.br/)

Contato: https://www.facebook.com/anamariaprimavesi

 

A agricultura convencional dispõe de uma tecnologia muito sofisticada. Não porque seria necessária para produzir, mas porque se acomodaram com solos mortos que contribuem em muito para o efeito estufa, tanto pela aração e a consequente decomposição explosiva de toda matéria orgânica que as raízes deixaram na terra e a produção de CO2, como pela perda de nitrogênio em forma de N2 e N2O (óxido nitroso), que tem efeito estufa 250 vezes maior de que o CO2.

Em parte também pela produção de CH4 com efeito estufa 25 vezes maior do que o CO2 (Primavesi, 2003) que se forma na decomposição da palha enterrada pela aração (Primavesi, 1980). A isso junta-se a emissão de enormes quantidades de CO2 por veículos automotores e fábricas, porque o homem descobriu os estoques de carbono (petróleo) da natureza, que esta justamente fez para evitar contaminação do ar e estratosfera com CO2.

O efeito estufa está aumentando a temperatura. Um aumento de somente 0,5ºC faz os cipós crescerem incontroladamente asfixiando as árvores das florestas. Com o aumento de 1,0ºC ocorre o descongelamento de geleiras e polos. Sobe a água do mar e aumenta sua pressão sobre seu fundo. Isso provocou no dia 26/12/04 o Maremoto ou Tsunami que matou mais de 300.000 pessoas.

Ao contrário do que se pensou, o aumento da temperatura não permite ainda o plantio de culturas tropicais no clima temperado, mas por cada 1,2ºC de aumento de temperatura baixam as colheitas em 10,60 % uma vez que na natureza TODOS os fatores estão rigorosamente interligados, adaptados uns aos outros. A menor modificação de um fator acarreta a modificação de todo sistema. (McCarty,G, 2005).

Assistimos à poluição de solos, florestas, lagos, rios e mares por agrotóxicos, mas também as águas por esgotos urbanos, que por exemplo causaram nos EUA a proibição da venda de moluscos inclusive ostras por causa de doenças viróticas que transmitem (Richards,G & Kingsly,D.2005).

Fora dos efeitos diretos dos defensivos agrícolas sobre a saúde humana, como por exemplo, dos clorados, que atualmente após sua proibição por causa de seu efeito sobre os genitais masculinos, somente se usam na produção de clones vegetais e dos fosforados que foram desenvolvidos como neurotóxicos e que permanecem a ser neurotóxicos, mesmo se atualmente somente são usados contra insetos. Os resíduos nas plantas atacam o sistema nervoso dos consumidores, especialmente porque contribuem a dissolução das camadas protetoras dos neurônios (Carson,R,1958).

Por outro lado, o consumo de plantas mal nutridas, mesmo se fossem sem resíduos de defensivos, não conseguem manter a saúde humana. Assim, por exemplo, a ARS/USDA do Governo norte americano constatou que um excesso de nitrogênio, que induz a deficiência de cobre, faz com que 20 a 23% das crianças nasçam paraplégicas, isto é paralíticas (Johnson,T.1999 ).

E pelo excesso de fósforo adubado que induz a deficiência em zinco, muitas crianças se tornam dementes, o que, porém, pode ser curado quando se administra zinco adicional à alimentação.

O alimento somente possui valor biológico integral quando as plantas conseguiram formar todas suas substâncias a que são capazes geneticamente, ou seja, todos de peso molecular elevado, o que não ocorre quando as plantas estão desequilibradamente nutridas. Somente NPK não é o suficiente porque para formar as substâncias precisam-se enzimas ativadas por minerais (Epstein, 1972).

Uma planta para ser bem nutrida necessita: um solo agregado e poroso, um sistema radicular bem desenvolvido, suficiente água à sua disposição, nutrientes em sua proporção certa (Trofobiose) e uma temperatura do solo abaixo de 32ºC (Primavesi,1980), que exige a proteção do solo e uma microvida muito diversificada.

Pela exploração de solos mortos, com alta tecnologia que se necessita por serem compactados e mortos, causa-se o desaparecimento da água doce em nosso Planeta porque os níveis subterrâneos não tem mais reposição. A água de chuva não se infiltra mais… os rios secam, os níveis freáticos baixam, os aquíferos se esgotam. E sem água não existe mais vida. Nem vegetal, nem animal, nem humana. (Primavesi, 2003).

Por isso os índios bolivianos dizem:

“Somos feitos de Sol (energia luminosa), chuva (água) e terra (minerais).
Mas vocês alteraram a luz do sol poluindo a atmosfera com gás carbônico,
alteraram as chuvas, desmatando indiscriminadamente, destruíram a terra com
suas máquinas, adubos químicos e agrotóxicos, destruíram as plantas, nosso alimento,
pela modificação genética. E agora ? O que será de nós ?”

Portanto, a tecnologia atual, mesmo sendo de precisão, técnica de ponta, é absolutamente insustentável.

SOLO SADIO —► PLANTAS SADIAS —► HOMEM SADIO

COMO MELHORAR O SOLO?

Se não queremos somente explorar solos mortos e acabar com a vida em nosso Planeta, temos de trabalhar com solos vivos; estes devem ser agregados, protegidos contra o impacto das chuvas e super aquecimento por insolação direta, permitir um enraizamento profundo e profuso e ser protegidos contra o vento.

Acredita-se que a Agricultura Orgânica está trabalhando corretamente, mas não está. Ela continua trabalhando com solos mortos, somente trocando insumos químicos por orgânicos, por exemplo, NPK por composto ou os defensivos muito tóxicos por menos tóxicos que aplica corriqueiramente. Continua com o solo desprotegido, acredita que romper compactações é o mesmo que agregar o solo, usam variedades importadas de outros países e climas, isto é, outros ecossistemas e são convencidos de que todo nitrogênio vem somente do composto.

O único resultado é que produzem menos, porque a tecnologia química-mecânica foi justamente desenvolvida para explorar solos mortos. Por exemplo, os orgânicos fazem a conta que: com 40 t/ha de composto adicionam metade do NPK do que o vizinho convencional com o adubo químico. E num congresso de agroecologia até trouxeram vários trabalhos: como matar de maneira ecológica a vida do solo e o “ecológico”; era de não usar tóxicos químicos, mas a solarização. Portanto o primeiro ponto é considerar a vida do solo como inerente ao solo e não como opcional.

a) – Os micróbios e a mesofauna tornam o solo vivo igual a alma que torna o homem vivo. A função da vida é:-

  • agregar o solo tornando-o permeável para ar e água.
  • eliminar todas as plantas que são fracas ou doentes para que a vida não degenere.
  • mas para que não consigam atacar plantas sadias eles são programados através de enzimas para determinadas substâncias, sempre de peso molecular baixo e nunca de peso molecular elevado como proteínas.
  • descobrem-se cada vez mais micróbios que são tanto maléficos como benéficos. Por exemplo o fungo Aspergillus niger mata a semente fraca e não a deixa germinar. Por isso, todas sementes são tratados com mercuriados. Mas quando a semente é sadia e forte, ajuda-a a nascer mais rápida. Ou as Lactobactérias, que fazem parte da flora intestinal comum, mas podem se tornar também patógenos. As Colibactérias, que fazem parte da flora intestinal normal, podem causar também doenças mortais. Ou o fungo Rizoctonia, um temido parasita radicular, pode também entrar no floema das planta e aumentar sua resistência à seca. Os rizóbios, tomados por benéficos com que se inoculam as leguminosas, em monoculturas com solos muito compactados podem virar “deletérios” e matar a soja, como ocorreu ao Sul de Córdoba, na Argentina.

b) – A agregação do solo é básica para sua saúde. Somente assim permite a penetração de ar e água e garante o caudal dos rios. As bactérias agregadoras são aeróbias, uma vez que não faz sentido formar agregados estáveis ao impacto da chuva nas camadas mais profundas do solo. Por isso, a matéria orgânica tem de ficar na camada superficial do solo, ou seja nos horizontes Ao e A1.

c) – O pH ótimo do solo tropical não é 7,0 como no clima temperado, mas 5,6. Isto é, onde todas as enzimas bacterianas e fúngicas têm sua maior atividade.

d) – O alumínio, manganês ou ferro tóxico aparecem somente em solos compactados, onde perdem oxigênio. Nestes solos há “redução” de todos elementos minerais como também de enxofre (SO3 —► SH2 ou CO2 —► CH4 etc.) Döbereiner (1958) constatou que o Mn tóxico se elimina muito mais fácil aplicando matéria orgânica (alimento para as bactérias que agregam e arejam o solo) de que neutralizando-o com calcário.

e) – Os três fatores que mais contribuem à compactação dos solos são a aração (Papendick, 1996), a calagem e a adubação nitrogenada, porque contribuem com a perda rápida da matéria orgânica. Pela calagem corretiva, os solos não somente perdem o resto de sua matéria orgânica, compactando-se, mas a substituição do alumínio (trivalente, um poderoso agregador químico do solo) por cálcio, (bivalente, incapaz de agregar solos tropicais) leva a uma espécie de petrificação difícil de remover. (Primavesi, 2003)). A compactação do solo é o início do fim.

f) – A matéria orgânica não é adubo químico em forma orgânica mas é alimento da vida do solo que mobiliza os nutrientes. Portanto sua a aplicação não é opcional, mas indispensável. A mobilização de nutrientes pelos micróbios é muito maior do que a quantidade liberada na decomposição de matéria orgânica.(Tsai, 1992, Hungria, 1992). Segundo Dhar(1972), a quantidade de nitrogênio acrescentada pela matéria orgânica é muito menor do que esta fixada por bactérias que nela se instalam (pode ser até palha). Como a vida microbiana tropical é 10 a 15 vezes maior do que em clima temperado, a decomposição da matéria orgânica também é muito mais rápida (de 6 a 8 semanas) e todas as técnicas que aumentam sua decomposição devem ser evitadas. Por isso, o Plantio Direto propaga-se tão rapidamente. E o mesmo se consegue somente com uma camada fina de palha. A erosão é muito menor a zero, por impedir o impacto da chuva sobre a superfície do solo.

A BIODIVERSIDADE

O solo tropical não somente necessita ser vivo (e para isso precisa receber muita matéria orgânica), mas necessita igualmente de uma grande Biodiversidade.

Ela é o segredo do desenvolvimento exuberante da Mata Amazônica em solos extremamente pobres. A diversidade da vida no solo depende da diversidade vegetal acima do solo. Isto porque bactérias possuem somente uma enzima, fungos até quatro, insetos normalmente duas. E uma enzima consegue digerir somente uma única fórmula química. Meio oxigênio a mais e o enzima já não a consegue digerir (p.ex. catechol + ½ O = O-quinona).

Se não tivesse a enorme diversidade de vegetação acima do solo, teria muitos micróbios, mas de muito poucas espécies. E se não tivesse a enorme diversidade de micróbios dentro do solo, muitas substâncias vegetais não seriam decompostas. Somente a grande diversidade de micróbios dentro do solo garante a ótima nutrição das árvores, mas garante igualmente a permeabilidade do solo. Na mata virgem não existia enchente. Estas vieram somente com o desmatamento.

O solo vivo é a base da Agroecologia. Ecológico não são fatores isolados mas o sistema natural que existe em um determinado lugar. E cada sistema trabalha em forma de uma “teia alimentícia” ou food web. Isso significa que todos os fatores são completamente adaptados aos outros e a menor modificação de um fator exige a modificação de todos os outros. Igual a uma máquina de precisão. Cada sistema agrícola modifica e diminui a biodiversidade sendo, na melhor das hipóteses, um sistema simplificado. Mas, assim mesmo, pode conservar certas bases do sistema natural. Estes são:

  1. – um solo vivo que necessita suficiente matéria orgânica na camada superficial para permite a infiltração da água e permeação de ar;
  2. – um sistema radicular grande, aumentado-o para os lados e para baixo como mostra o sistema SRI (Système du Riz Intensivé) onde eles conseguem produzir muito arroz sem adubo, sem defensivo e com metade da água normalmente usada. Em solos mortos, a colheita é abaixo da convencional. (Uphoff, 2003, 2005);
  3. – proteção contra o impacto da chuva e insolação, como está sendo feito no Plantio Direto (Zero Tillage – Mulch Farming);
  4. – ausência de vento = quebra ventos ou até 50 % de área florestada; Como o vento pode levar até 750 mm/chuva/ano e como ele baixa a produção à metade até um terço, como constata Grace (1977) em seu livro sobre o vento, mesmo com metade da área florestada, podemos produzir o mesmo, até mais do que com toda área desflorestada. A floresta garante também a umidade do solo com influência favorável sobre o clima (Jackson, 2004).

TECNOLOGIA AGRÍCOLA ACONSELHADA

  • Nunca plantar mais profundo do que a cultura exige. Por exemplo: bata-tinhas e cana de açúcar em 10 cm (depois amontoar); milho e feijão em 5 cm; trigo e aveia em 3 cm; arroz em 2 cm. Extraindo uma planta do solo descobre-se a profundidade exata, conforme o ponto onde inicia formar suas raízes.
  • Incluir na rotação cultivos que conseguem romper lajes duras (hard pan) como Crotalária, Guandu, Mos-tarda; etc. Usar rotação de ao mínimo 5 culturas.
  • Conservar o solo sempre coberto por uma cobertura viva, como policultura, plantio adensado, manejo do mato ou morta = mulch.
  • Nunca colocar todo o composto no fundo da cova, mas misturar 1/3 com a terra com que encha a cova e 2/3 colocar na camada superficial. Nunca enterrar o composto com o arado ou enxada rotativa mais fundo de que 12 a 15 cm. Mais fundo sempre terá decomposição anaeróbia, produzindo metano e gás sulfídrico, tóxico para as raízes que, por isso, permanecem superficiais. Nos Trópicos não se necessita de composto, podendo usar somente palha – às vezes enriquecida com fósforo e cálcio (escória de Thomas e semelhantes).
  •  Em hortaliças, sempre colocar as bandejas em armações próprias e nunca em tábuas ou no chão. Pode colocar 2 bandejas uma em cima da outra ambos com terra) e cortar depois as raízes acima da bandeja inferior. Para plantar deve-se fazer um furo com um pau pontudo, para que a raiz sempre esteja reta para baixo e nunca virado para o lado ou para cima, porque ela não desvira mais. Se faltar boro, nenhuma raiz se desenvolve bem. Em campos agrícolas, colocam-se entre 3kg (arenoso) a 7 kg (solos argila pesada) de ácido bórico/ha; em hortas, de 6 a 12 kg/ha; em pomares, até 30 kg/ha, porém somente depois de experimentar qual a quantidade melhor.
  • Controlar o vento por “quebra ventos” que podem ser plantas maiores, até milho, arbustos ou árvores. Ou plantando pequenos bosques. Quanto menos vento, tanto menos se precisa de irrigação e tanto melhor a produção.
  • A irrigação tem de ser bem controlada. Pouca água (10 mm/dia) onde sempre 40 até 60 % se evapora, segundo a hora do dia e o modo de aplicação “vicia” as raízes em irrigar. Isso porque o solo mais baixo permanece seco e as raízes se acomodam na camada úmida superficial. As plantas se tornam mal nutridas e na Agricultura Orgânica produzem muito pouco.
  • Se as plantas exigem irrigação ininterrupta, que até encharca o solo, alguma coisa está errada com a raiz, isto é: o solo pode ser muito compactado impedindo o desenvolvimento da raiz, falta cálcio (raízes grossas até bulbosas com pouquíssimos pelos de absorção), ou existe matéria orgânica enterrada com decomposição anaeróbia (raiz cheira de pântano ou de ovo podre) ou falta boro = as raízes aumentam muito em tamanho quando se deixa secar o solo superficial e a raiz segue a água que recua no solo.
  • Manter capoeiras ou mata ciliar, que transpiram bastante água refrescando o ar. Não importa a altura das árvores mas o tamanho de suas copas.
  • Incentivar o aparecimento de micorrizas que podem triplicar o “acesso” das raízes a nutrientes. Fora as Liliáceas (cebola, alho) e Brassicáceas (repolho, brócolos, couve-flor), todas as plantas podem ter micorrizas. Para incentivá-las, é preciso fornecer as culturas os micronutrientes mais essenciais. Por exemplo: Zn + Cu em milho, Cu em arroz, Mn em aveia, B em laranjeiras, Mo em tomateiros e algodão, etc. Neste caso se assentam sem serem inoculadas.
  • Restringir a passagem de máquinas sobre o campo e especialmente evitar máquinas super-pesadas, como atualmente usadas no Plantio Direto e na Agroindústria.

A Agricultura Orgânica sempre produzirá pouco e mal enquanto continuar trabalhando com solos mortos, uma vez que estes necessitam de uma tecnologia química-mecânica muito sofisticada, que não pode ser chamada de produção porque é somente uma “exploração” de solos mortos, que é finita.

Trabalhando com solos vivos e cuidando das raízes, a produção agroecológica é muito maior do que a convencional, apesar de não usar adubos e defensivos. As culturas terão melhor saúde e raramente aparecerão doenças, por estarem bem nutridas. Alimentos sadios garantem a saúde animal e humana.

Ao mesmo tempo, solos vivos garantem a água doce (potável) em nosso Planeta.

Na Agroecologia, o ser humano não quer dominar a natureza, mas está utilizando seus sistemas a seu favor. A aceitação e submissão do homem às leis de Deus estabelecidas na natureza é básica para uma produção boa. Não é simplesmente a caça por dinheiro, mas a procura de bem estar geral e isso não somente para uma pequena camada privilegiada, mas para todos. Necessariamente cada melhoramento social tem sua base no melhoramento do solo, uma vez que solos destruídos e mortos causam pobreza e pobreza destrói mais ainda os solos, caminhando para a extermínio da vida em nosso Planeta.

Não são as fábricas que garantem o bem estar do povo, nem sua sobrevivência. São estes que vivem no campo, com agricultura familiar bem estabelecida, obedecendo às leis de Deus, que garantem o bem estar geral e a sobrevivência da humanidade.

Portanto, a tecnologia agrícola adequada é esta que garante a sobrevivência em nosso Planeta, trabalhando com solos vivos e gerando uma prosperidade geral.

Related posts

Alimentos orgânicos renderam R$ 4 bilhões a produtores brasileiros em 2018

[Ana Maria Primavesi] – Um acordo comercial. E os fungos como sócios.

Revista Attalea Agronegócios

Cultivo de algodão agroecológico volta a ser incentivado no semiárido brasileiro

Revista Attalea Agronegócios

Deixe um comentário