Powered by Rock Convert
Revista Attalea Agronegócios
Image default
Bovinos de Leite Política Agrícola

ABRALEITE pede aumento de impostos de importação do Leite em Pó como contrapartida

A Associação Brasileira dos Produtores de Leite (Abraleite) pediu aos ministérios da Agricultura e da Economia para elevar o imposto de importação de leite em pó. Atualmente, o produto está na lista da Tarifa Externa Comum (TEC), incidente sobre importações de fora do Mercosul, com taxa de 28%. A elevação serviria para compensar a derrubada das tarifas antidumping, feita pelo Governo Federal essa semana, para União Europeia (14,8%) e Nova Zelândia (3,9%).

Os novos valores pleiteados são exatamente a soma da TEC e da extinta medida de proteção à cadeia produtiva nacional: 42,8% para o bloco europeu e 31,9% para o país da Oceania. No entanto, a legislação vigente só permite chegar a 35% nessa categoria. A solução seria tentar a inclusão na Lista de Exceção à Tarifa Externa Comum (Letec), que permite taxação de até 55%.

A solicitação foi feita na última quinta-feira, dia 07/02, em reunião entre o presidente da Abraleite, Geraldo Borges, a ministra da Agricultura, Tereza Cristina, e o secretário de Comércio Exterior e Assuntos Internacionais da pasta comandada por Paulo Guedes, Marcos Troyjo. Na próxima terça-feira, dia 12, haverá uma nova reunião entre eles para dar sequência ao assunto.

A ministra da Agricultura, Tereza Cristina, confirmou que vai tentar elevar o imposto até encontrar uma taxa “justa” para as importações de leite em pó. O pleito também foi defendido pela Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA), por meio do presidente da Comissão Nacional de Pecuária de Leite, Rodrigo Alvim. Mas pode ser difícil implementar a medida. Isso porque o imposto de importação do leite em pó já é um dos maiores em vigor no país, com 28%, perde apenas para produtos como pêssego, artigos têxteis, vestuário, tapetes, revestimentos para pisos, bolsas, calçados, brinquedos e veículos automotores e tratores, com tarifa de 35%, o máximo possível para TEC. A alíquota não é suficiente para barrar a entrada dos produtos europeu e neozelandês, segundo a Abraleite.

Outra possibilidade é a migração de TEC para Letec, na qual a alíquota pode ultrapassar os 35%. Nela, apenas frutas dessecadas têm a taxa máxima de 55%. Alho (35%) e cebola (20%), são culturas agrícolas que também estão nesse rol. O pedido da Abraleite é para 42,8% no caso da UE, mas ainda não foi feito formalmente. Hoje, existem 35 pedidos de inclusão, exclusão, alteração ou manutenção de produtos na Letec. A análise de cada um dura pelo menos um mês até ser deliberado pelo Comitê Executivo de Gestão da Câmara de Comércio Exterior (Gecex). O prazo para implementação da medida deve ser o principal empecilho para o setor produtivo leiteiro nesse caso.

Para o consultor em comércio internacional da BMJ, Matheus Andrade, qualquer pedido de elevação desses impostos vai demorar a se concretizar. “Com a reformulação do governo, vai mudar a forma de aprovação desses pedidos, mas ainda não foi definido como vai ficar. Pode demorar meses”.

Andrade explica que a mudança na TEC depende de aprovação do Mercosul, uma vez que é válida para todos os membros do bloco, e que a alternativa de inclusão da Letec é de decisão interna, mas que leva tempo. “O setor pode pedir aumento da tarifa. Todos os países informam à Organização Mundial do Comércio (OMC) as tarifas máximas que podem aplicar para os produtos. Para o leite em pó, poderia ir até 55%. O Brasil tem essa liberdade, mas é algo demorado”, diz.

Sobre a queda da tarifa antidumping, a medida é definitiva, mas pode existir uma esperança muito remota de reversão, de acordo com o consultor Celso Figueiredo, da BMJ. “Como foi medida terminativa, não foi encontrado a recorrência do dumping para importações do leite em pó, a decisão é definitiva. Para requerer novamente, é preciso abrir novo processo, todo precedente será levado em consideração, mas é necessário abrir nova investigação. Existe outra possibilidade, mas nunca aconteceu, que é o governo brasileiro aceitar algum recurso em função do interesse público e da economia como um todo sobre a decisão de retirar o antidumping”, esclarece. A abertura de uma nova investigação, no entanto, só pode ser feita daqui um ano.

Uma fonte ouvida pelo Canal Rural, que não quis se identificar e acompanhou o tema durante os últimos anos no Ministério da Agricultura, concorda que tanto alteração de TEC quanto o pleito por Letec serão difíceis de alcançar. A primeira depende de mudança no acordo do Mercosul, uma vez que a tarifa comum vale para todos os países do bloco. A segunda depende de convencimento do Ministério da Economia sobre a necessidade de taxação elevada.

O cenário é pior ainda, segundo avaliação da fonte, para a retomada do antidumping. “São decisões técnicas. O processo indica que não tem mais sentido manter a tarifa antidumping. O setor foi alertado no ano passado que a medida estava vencendo. Agora, precisa apresentar números, algo novo, mas acho muito difícil retomar”, relata.

Fonte: Canal Rural

Powered by Rock Convert

Related posts

Agricultura de SP dispõe de recursos para produtores rurais afetados com variações climáticas

Revista Attalea Agronegócios

Esclarecimentos relativos aos efeitos do Decreto no 9.642/2018 que alterou os descontos das contas elétricas do setor rural

Revista Attalea Agronegócios

Mulheres são destaque na produção de cafés especiais em Santa Rita do Sapucaí (MG)

Revista Attalea Agronegócios

Deixe um comentário