Powered by Rock Convert
Revista Attalea Agronegócios
Image default
Máquinas e Implementos

8 dicas para melhor utilizar colheitadeiras de grãos

O ano de 2019 já começou e, com ele, vem a expectativa do cumprimento das previsões feitas para o ramo agrícola em 2018. Inicia-se também um novo governo federal, que tem no estímulo ao agronegócio uma de suas principais metas. O otimismo com os mercados interno e externo está em alta. O desenvolvimento de um novo projeto de país passará diretamente pelo sucesso do setor.

Seguindo essas tendências, a previsão mais recente para a safra de grãos no Brasil, divulgada pela Companhia Nacional de Abastecimento (Conab), também é positiva. A colheita deverá atingir entre 233,7 e 238,3 milhões de toneladas em 2019 – a produção representa um aumento entre 2,5% a 4,5% em relação ao período anterior.

Tais condições reforçam a necessidade de investimentos em logística e, sobretudo, em infraestrutura. A última pesquisa de hábitos do produtor rural, promovida pela Associação Brasileira de Marketing Rural e Agronegócio (ABMRA), apontou que 34,14% dos produtores pretende adquirir novos maquinários neste ano, incluindo colheitadeiras.

Diante de dados tão animadores, preparamos oito dicas práticas sobre como o produtor rural pode melhor utilizar seu maquinário no momento da colheita e aumentar as chances de atingir, ou até superar, a projeção da safra de grãos em 2019:

Cuide da parte da colheitadeira com maior potencial de perdas
A seção de uma colheitadeira que muitas vezes pode apresentar o maior potencial de perdas na colheita é a plataforma de corte. Por isso, o ideal é trabalhar com uma boa regulagem, sempre de acordo com a condição do solo, com o tipo de cultura e com a velocidade de colheita. Máquinas com plataformas Draper favorecem a produtividade, já que possuem esteiras de transporte no lugar do caracol e tratam os grãos colhidos com mais delicadeza, preservando a qualidade do material colhido.

O piloto automático é seu aliado
As colheitadeiras de grãos são máquinas grandes, robustas e que operam em velocidades consideradas baixas, se compararmos com outros veículos. Logicamente, quanto maior a área de colheita, mais tempo é dedicado a essa atividade. Para qualquer ser humano, é difícil estar atento durante 100% do tempo de colheita. Portanto, ao utilizar o piloto automático, o agricultor poderá preservar energias físicas e focar sua atenção em decisões estratégicas, que não a condução da colheitadeira.

A manutenção pós-safra é importante
Normalmente uma colheitadeira fica parada durante longos períodos após a colheita. Cuidar do equipamento antes de guardá-lo aumenta a sua vida útil e evita imprevistos na colheita seguinte. Como manutenção preventiva, vale ter atenção na limpeza e lubrificação das peças. Para colheitadeiras com plataforma Draper, é importante lembrar-se de soltar a tensão da peça. Mantê-la limpa vai proteger o equipamento da ação de agentes externos. Por fim, conhecer bem a máquina permitirá que o produtor rural faça a manutenção preditiva, ou seja, realize a troca de peças desgastadas antes que a colheitadeira pare de funcionar e fique fora de ação.

Regule o equipamento conforme o tipo de grão
Variar os ajustes de velocidade, tanto da colheitadeira, quanto de sua plataforma, de acordo com o tipo de grão plantado, pode influir diretamente na qualidade do grão colhido. O grão comercial permite uma colheita mais otimizada, enquanto para o grão semente, o mais indicado é uma operação de máquina mais suave e delicada.

Esteja presente, mesmo que à distância
A tecnologia embarcada nas máquinas de hoje em dia permite que o produtor rural desempenhe diversas funções sem sacrificar a atividade no campo. Hoje já é possível operar e monitorar uma colheitadeira à distância, e realizar ao mesmo tempo, por exemplo, tarefas administrativas da propriedade. Soluções como o Agcommand, componente de fábrica das colheitadeiras da Valtra, permitem que o agricultor acompanhe o rendimento da sua colheita de qualquer lugar, com um smartphone ou tablet.

Atenção na distribuição de palha pós colheita
A dica é básica, mas é sempre bom lembrar: quanto mais uniformidade na distribuição de palha após a colheita, melhor será a retenção de matéria orgânica no solo. Isso influirá diretamente no plantio seguinte, que será feito em um solo mais úmido e bem nutrido, colaborando para o aumento na produtividade de grãos.

A qualidade dos grãos colhidos não depende somente da colheitadeira
Colheitadeiras de grãos ajudam a otimizar o trabalho no campo, para que a terra possa produzir mais em menos tempo. Porém, o maquinário não faz milagres. Uma boa colheita só será possível se todas as etapas do cultivo forem bem feitas. Tratar o solo, estar atento à qualidade das sementes e realizar cuidadosamente a aplicação de defensivos agrícolas são algumas das práticas que vão garantir que a colheita seja mais produtiva.

Priorize marcas com a melhor estrutura de pós-venda possível
Mesmo com todos os cuidados, depois de certo tempo a colheitadeira precisará de manutenção e, eventualmente, de troca de peças. Escolher uma marca que conte com uma vasta rede de concessionárias e trabalho personalizado de pós-venda, vai fazer com que o produtor rural tenha o amparo ideal em momentos como esse.

Por: Marcos Werner é Supervisor de Marketing de Colheitadeiras AGCO América do Sul

 

FONTE: Danilo Fernandes – CDN COMUNICAÇÃO
danilo.fernandes@cdn.com.br

Related posts

Agrishow 2019: Landini Brasil apresenta tratores feitos para durar

Família de tratores Valtra A4 HiTech vence prêmio de ‘Máquina do Ano’

Revista Attalea Agronegócios

Tereza Cristina afirma em Uberaba (MG) que não houve nenhum corte no Moderfrota

Revista Attalea Agronegócios

Deixe um comentário