fbpx
Revista Attalea Agronegócios
Image default
Café

5º Concurso de Qualidade de Café “Força Café”: Assistidos pelo programa ATeG Café se destacam

Cafeicultores assistidos pelo Senar Minas no programa de Assistência Técnica e Gerencial (ATeG Café) garantiram boas colocações no 5º Concurso de Qualidade de Café – Projeto Regional Força Café, da Hanns R. Neumann Stiftung do Brasil. O destaque foi para Elieser Carmelito da Silva, que conquistou o primeiro lugar na Categoria Natural – Geral, com 86,75 pontos.

Ele também garantiu o segundo lugar na categoria natural da região das Matas de Minas e a terceira colocação na categoria Cereja Descascado – Geral (veja a classificação completa abaixo). O café da esposa de Elieser, Rosângela Moura Alves, também ficou bem posicionado: 4º lugar no geral de Cereja Descascado, 3º na categoria natural das Matas de Minas e 7º no geral da categoria Natural.

Elieser e o irmão trabalham juntos, e o Café Fazenda Carmelito é cultivado em Santa Margarida, no Córrego São Félix. Os de qualidade ficam em altitude entre 1000 e 1300 metros. A família já tem tradição em premiações em concursos. Além do Força Café, já conseguiu vencer ou ficar entre os finalistas em concursos da Emater, Coocafé e o Coffee of the Year.

“É um orgulho muito grande. Desde 2014 estamos conseguindo boas colocações. Investimos os recursos de prêmio que temos conquistado em construções na propriedade, como a instalação de estufas. No ano passado, com o dinheiro fruto da colocação do café da minha esposa, iniciamos a construção de um laboratório, que será um espaço de prova e para receber os visitantes”, contou Elieser.

A família conta com o programa do Senar Minas para melhorar a qualidade e a parte financeira. “Nesse caminho, o programa tem nos ajudado a melhorar a qualidade e na sustentabilidade orçamentária. O técnico Tadeu tem nos orientado bastante, ajudando-nos em análise de solo, adubação e no financeiro”, destacou.

Para o técnico Tadeu Vieira Otoni, o programa tem contribuído muito para a melhoria da produtividade. “Outro ponto muito importante é com relação ao conhecimento do custo de produção. Tinham um custo muito alto e o ATeG proporcionou o conhecimento desse custo. Daí os produtores se dedicaram a melhorar ainda mais a qualidade, uma vez que o custo das instalações e da mão-de-obra precisavam ser compensados”, explicou.

Já a técnica Jéssica Carmo acompanha um grupo de mulheres na região das Matas de Minas, incluindo Valquíria Bastos. Ela e o marido Rafael Bastos Silva garantiram o segundo lugar na categoria geral de Cereja Descascado.

“É muito gratificante ver o reconhecimento de produtores dedicados como esses, que, além de buscarem a produtividade da lavoura, acreditam na agregação de valor do café. Observamos que tais pilares e o trabalho conjunto do ATeG na construção do planejamento estratégico e aplicação do ciclo de melhoria contínua da propriedade os auxiliam nas tomadas de decisões e a estarem aptos a concorrer nesse nicho de mercado que se torna mais competitivo a cada ano”, analisou a técnica.

Elieser-na-propriedade

ATeG Café

O programa, inédito no estado, atende 600 produtores das Matas de Minas e Sul do estado em 42 municípios. O objetivo é trabalhar junto ao produtor, oferecendo-lhe tecnologias e consultorias que visam o crescimento da produção com qualidade e menor custo.

Cada técnico acompanha um grupo de 30 cafeicultores com visitas mensais. O trabalho engloba diagnóstico produtivo individual, planejamento, gestão e avaliação dos resultados obtidos.

O concurso*

Pelo quinto ano, a Hanns R. Neumann Stiftung do Brasil realizou o concurso anual “Força Café” Coffee Championship 2018, em colaboração com a NKG Stockler e a Fazenda da Lagoa, em Santo Antônio do Amparo.

Um total de 265 lotes de café produzidos por agricultores familiares e preparados por via natural e cereja descascado foram recebidas para o concurso. Os cafés vieram das regiões onde atua o Programa “Força Café”: Matas de Minas, Circuito das Águas, Campos das Vertentes e Mar de Minas Gerais. Dessas, 70 amostras passaram a pré-seleção e foram apresentadas no evento final, neste mês.

Os cafés foram degustados por um grupo de representantes de empresas importadoras e torrefadoras de diversos países, tais como: a Luigi Lavazza da Itália, a KLD Coffee Importers da Rússia, a Bero Polska e a Cukiernia Sowa da Polónia, a Interamerican Coffee-USA e a Barista Magazine dos Estados Unidos de Norteamérica, a Die Rösterei e a Interamerican Coffee-Hamburg de Alemanha.

Veja as colocações dos assistidos:

Categoria Natural – Geral:
1° – Elieser Carmelito da Silva – Matas de Minas – 86,75
7° – Rosângela Moura Alves – Matas de Minas – 84,75

Cereja Descascado – Geral:
2° – Rafael Bastos Silva – Matas de Minas – 85,65
3° – Elieser Carmelito da Silva – Matas de Minas – 85,08
4° – Rosângela Moura Alves – Matas de Minas – 85,05

Região Matas de Minas – Categoria Natural:
2° – Elieser Carmelito da Silva – Santa Margarida – 84,53
3° – Rosângela Moura Alves – Santa Margarida – 84,38

Fonte: Assessoria de Comunicação Senar Minas – Regional Viçosa (Com informações da Hanns R. Neumann Stiftung do Brasil)/CCCMG

Related posts

2ª FAMCAFÉ – No dia 23/10 também terão início as Apresentações de Barismo

Pesquisa realizada pela illycaffè discute contribuição de fungos do café para identificação de terroir

Produção de cafés especiais no Paraná se desenvolve com ajuda do Sistema FAEP/SENAR-PR

Deixe um comentário