fbpx
Revista Attalea Agronegócios
Café EVENTOS - DESTAQUES Tecnologia

1ª ALTA CAFÉ: oportunidade de conhecer o Programa Agro Energia do Banco do Brasil

Os cafeicultores que visitarem a 1ª ALTA CAFÉ – Feira de Negócios e Tecnologia da Alta Mogiana, feira que acontece de 03 a 05 de março de 2020, no Villa Eventos, em Franca (SP), terão a oportunidade de conhecerem de perto o Programa Agro Energia do Banco do Brasil.

Além disto, na área de exposição da feira, os visitantes conhecerão os diversos modelos de equipamentos que irão atender às necessidade de cada um no que se refere à solução energética nas propriedades, empresas e residências. Destaque para as empresas Via Sol Energia Solar (Estande C-14), Lux Sol (Estande C-3) e Quântica Solar (Estandes 43 e 62)

O objetivo do programa apoiar a produção de energia limpa e renovável em atividades do agronegócio, promovendo a ampliação dos negócios com o setor agropecuário, com a implantação de usinas geradoras de energias alternativas e renováveis, nas fontes solar, biomassa e eólica.

O Programa Agro Energia do Banco do Brasil possibilita a redução do custo de produção, autossuficiência na produção e utilização de energia limpa, transferência de tecnologia ao campo, regulação ambiental e manutenção de renda.

O apoio aos projetos de geração sustentável de energia elétrica com condições diferenciadas no Agronegócio reconhece o potencial das energias renováveis e da inovação do Agronegócio no Brasil e o Programa Agro Energia reforça o compromisso do BB com a sustentabilidade.

Soluções em crédito utilizadas no Programa Agro Energia do Banco do Brasil

a) – PRONAF ECO = clique aqui e conheça

b) – PRONAF AGROINDÚSTRIA = clique aqui e conheça

c) – PRODECOOP = clique aqui e conheça

d) – INOVAGRO = clique aqui e conheça

e) – INVESTE AGRO = clique aqui e conheça

f) – PRONAMP INVESTIMENTO = clique aqui e conheça

g) – FCO RURAL INVESTIMENTO AGROPECUÁRIO = clique aqui e conheça

Quem pode usufruir do Programa?

Tem acesso ao Programa Agro Energia do Banco do Brasil produtores rurais (pessoas físicas e jurídica) e cooperativas do agronegócio.

O que posso financiar?

1. Aquisição de usinas geradoras de energia classificadas como micro ou minigeradoras, para operar no sistema de compensação de energia da Aneel.
2. Demais empreendimentos necessários para a instalação das usinas geradoras.

O que é a micro e minigeração distribuída?

A diferença é definida pela potência.
> Na microgeração a potência instalada é menor ou igual a 75 kW.
> Na minigeração a potência instalada é superior a 75 kW e menor ou igual a 3 MW para fontes hídricas ou menor ou igual a 5 MW para cogeração qualificada ou para as demais fontes renováveis de energia elétrica.

Ambas são conectadas na rede de distribuição por meio de instalações de unidades consumidoras.

Como funciona o sistema de compensação de energia?

Quando a energia injetada na rede for maior que a consumida, o consumidor receberá um crédito em energia (kWh) a ser utilizado para abater o consumo dos meses subsequentes. Os créditos de energia gerados poderão ser utilizados em até 60 meses.

Como funciona o sistema de compensação de energia?

Sim. As Resoluções nr. 482/2012 e 687/2015 da Agência Nacional de Energia Elétrica (ANEEL) normatizam a geração distribuída e o sistema de compensação.

Quais são os procedimentos para a contratação do financiamento através do Programa?

As propostas para o financiamento deverão ter o mesmo tratamento de uma operação normal de investimento. O cliente procura uma empresa especializada na elaboração de projetos relacionados às energias alternativas, com posterior apresentação do orçamento/projeto ao banco. Após aprovação da proposta pelo BB, o cliente deverá iniciar o procedimento junto a companhia distribuidora elétrica local.

Related posts

25ª HORTITEC: Rigrantec apresenta linha de combinação de nutrientes e bioestimulantes.

mkt

Bahia Farm Show: Conheça a variedade de algodão da BASF que proporciona alta produtividade e qualidade de fibra

Revista Attalea Agronegócios

Hexagon reorganiza portfólio para se aproximar do cliente

Revista Attalea Agronegócios

Deixe um comentário